Depressão, solidão, fobia social | A Nossa Vida

Depressão, solidão, fobia social

Retrato de Stalker21
13.06.2021 | 15:35
Stalker21:
Membro desde: 13.06.2021

Desde já boa tarde a todos. A minha história é um bocado complicada e sinceramente não sei por onde começar. Tenho 27 anos depressão desde os 15 e só recentemente fui diagnosticado com fobia social que sinceramente penso que tenha despoletado a depressão e a grande solidão que sinto. Tive uma vida mais ou menos normal até aos 14/15 anos de idade apesar de não ser muito aberto mantive-me sempre com um grupo de 2 amigos de infãncia desde o infantário ao 9 ano coisa que não devia ter feito, ainda hoje me culpabilizo por isso, devia de ter conhecido mais pessoas e alargado os meus horizones. A coisa complicou a partir do 10 ano pois fui obrigado a mudar de escola para fazer o secundário acabando por me separar desses amigos. Inicialmente notava que as pessoas se tentavam aproximar minimamente de mim, eu é que pura e simplesmente não o permitia por já sofrer com os sintomas da fobia social se bem que ainda estava longe de ser diagnosticada. Esse ano foi terrivel, andava sempre isolado e sozinho nos intervalos, nas horas de almoço, sempre no entanto ainda não tinha depressão. Acabei o ano sem fazer um unico amigo quer fosse na turma ou na escola. Quando se iniciou o 11 ano deu-se um clique em mim pois percebi que iria acontecer o mesmo que no ano anterior e basicamente entrei em depressão profunda até aos dias de hoje. A minha mãe apercebeu-se e colocou-me numa psicóloga durante um ano inteiro que pouco ou nada ajudou. Lembro-me que na altura estava tão mal que não conseguia comer nada, só me apetecia dormir, era incapaz de olhar as pessoas nos olhos e andava sempre com a cabeça baixa. Esse ano foi uma tortura pior que o ano anterior pois tinha depressão e não apenas e só fobia social. Decidi mudar de escola no 12 ano mas como é obvio a situação não se alterou se bem que consegui fazer um amigo que mesmo não sendo da minha turma me acompanhava nas horas de almoço e nos intervalos. As minhas notas eram péssimas só tirava o suficiente para passar de ano e reprovei 2 anos seguidos por causa de uma disciplina. Nessa altura comecei a fumar, a beber e a fumar outro tipo de substâncias como tentativa de esquecer os problemas e desanuviar a dor que sentia no entanto nunca o fazia sozinho fazia-o sempre aos fins de semana na companhia de 2 ou 3 amigos da aldeia com os quais mal tenho contacto agora. Em 2013 acabei finalmente o 12 ano mas infelizmente para tirar o curso que queria seguir teria de sair sa minha área de residência e tal não me era possivel devido a dificuldades económicas. Acabei por entrar num curso que não gostava só por ser perto de casa andei lá cerca de ano e meio e nem metade das cadeiras fiz tanto por não gostar daquilo como por ter metido na cabeça que tinha de arranjar colegas/companheiros para me fazer companhia, as coisas tinham de mudar. O que é certo é que fiz amizade com 3 ou 4 pessoas na altura e sentia-me bem, sentia que as coisas iriam finalmente começar a mudar mas depois acabei por sair do curso, era inevitavel, o contacto perdeu-se apenas fala com 1 deles ainda e muito raramente. Entre 2014 e 2018 estive doente em casa e perdi todo o contacto que tinha com as poucas pessoas que conhecia aqui da terra e considerava grandes amigos. Foi uma grande desilusão. Em 2018 já recuperado mandei tudo lixar e emigrei para junto do meu pai tambem para trabalhar e arranjar uns trocos só que num país em que não se sabe a lingua e com os antecedentes que já tinha voltou tudo a acontecer novamente. Enquanto não arranjei trabalho passava os dias fechado em casa no pc a jogar e a ver filmes aumentando assim a minha solidão. No final de 2019 regressei pois o meu contrato tinha acabado e via que apesar de ter ganho algum dinheiro e estar a grande maior parte do tempo ocupado com o trabalho não era verdadeiramente feliz. O trabalho e o dinheiro eram apenas uma capa que eu usava para tentar mascarar a depressão e a fobia. Continuava sozinho sem amigos já em portugal e com isto tudo instalou-se uma pandemia á escala global que ainda veio piorar mais as coisas pois estava completamente sozinho sem amigos, sem namorada ( nunca namorei sequer) e não conseguia arranjar trabalho. No final do ano de 2020 decidi procurar uma nova psicóloga e é ela que me tem apoiado até aos dias de hoje. Custa-me imenso lá ir sabendo que não sou eu que pago as consultas são os meus pais mas o que é certo é que fico melhor depois de lá ir e sinto um certo alivio apesar de durar pouco tempo pois a minha mente veio alimentando negatividade todos estes anos. Sinto que estes anos todos foram anos jogados para o buraco, não me desenvolvi enquanto pessoa, não me dei a conhecer aos outros e ainda me considero uma pessoa bastante imatura apesar da idade. A verdade é que sinceramente não sei quem sou, o que quero da vida nem o que ando aqui a fazer. Voltar a estudar com esta idade sinto que já é demasiado tarde e para trabalhar exigem experiência ou qualificação em algo e eu tenho apenas o 12 ano sem qualquer tipo de experiência. Eu agora apesar de ainda ter a fobia já estou muito melhor do que aos 15 anos. Já olho as pessoas nos olhos, já falo para as pessoas se falarem para mim, já me abro mais no entanto raramente tenho a iniciativa de fazer alguma coisa com medo de rejeição ou do que o que os outros irão pensar, com pessoas desconhecidas ainda é pior. Eu só queria que isto acabasse a minha psicóloga diz que tenho feito bastantes progressos apesar de eu não os ver no entanto sinto-me num estado lastimável e altamente desgastado tanto fisica como psicologicamente numa tentativa frustrada de me aproximar de alguem. Escrevo isto com esperança que alguem se identifique com o relato e me possa ajudar. Já pensei no suicidio mas nem coragem para isso tenho e não quero que os meus pais sofram. Obrigado desde já a quem leu.


Post