Vantagens do Plano Poupança Reforma (PPR)

Um plano poupança reforma deve ser considerado como um complemento para facilitar a qualidade de vida depois da reforma ou um substituto da mesma. Este tipo de investimento também pode ser visto como uma forma de incentivo à poupança a longo prazo ou como incentivo fiscal. Qualquer casal deve pensar se esta solução será uma boa solução financeira para a poupança a longo prazo, pois implica colocar o dinheiro de parte até aos 60 anos de idade; de outra forma terão de devolver as compensações fiscais que obtiveram até à data.

Vantagens de um Plano Poupança Reforma

Existem diversas vantagens num PPR e uma delas é a tributação das mais-valias obtidas em PPR, até 8% em vez dos 28% aplicados, em regra geral, nas outras soluções de investimento e poupança (depósitos a prazo, mais-valias de ações, dividendos, juros, etc.) aos rendimentos de poupança e mais-valias.

 

Taxa de Tributação das mais-valias e rendimentos

Solução de Investimento e Poupança

 < 5 anos

5 a 8 anos

 > 8 anos

PPR, com motivo legal

(mais compatível com os benefícios fiscais)

-

8,0%

8,0%

PPR, sem motivo legal

(de preferência num 2º PPR, sem usufruir dos benefícios fiscais)

21,5%

17,2%

8,6%

Depósito a Prazo

28,0%

28,0%

28,0%

Mais-Valias Ações

28,0%

28,0%

28,0%

Dividendos e Juros

28,0%

28,0%

28,0%

Se não tiver usufruído previamente do benefício fiscal nos valores investidos, não sofrerá qualquer penalização.

Uma boa estratégia consiste, portanto, em abrir pelo menos 2 PPRs:

  • O primeiro para investir e desinvestir livremente através de um veículo de fiscalidade muito reduzida;
  • O segundo para usufruir em cada ano do benefício fiscal ficando, no entanto, os valores investidos ficam apenas disponíveis na ocorrência de um dos motivos legais (despesas de educação, credito habitação, reforma, desemprego, etc.)

Uma outra vantagem é o benefício fiscal, onde o Estado permite deduzir no IRS uma percentagem do valor aplicado num PPR. Por exemplo, um contribuinte com idade entre os 35 e 50 anos pode abater até 350€ no IRS, desde que nesse ano tenha aplicado 1.750€ num PPR.

Os incentivos fiscais passam por poderem deduzir à coleta de IRS 20% do investimento no PPR, desde que este valor não ultrapasse 5% do rendimento total bruto e desde que não haja lugar a resgate do montante em causa, no prazo mínimo de 5 anos a contar da data dessas entregas, com os seguintes limites:

 

Por pessoa

Por casal

Por pessoa

Por casal

< 35 anos

2 000 €

4 000 €

400 €

800 €

35 – 50 anos

1750 €

3 500 €

350 €

700 €

> 50 anos

1 500 €

3 000 €

300 €

600 €

Se tiver aberto um PPR poderá resgatar o dinheiro sem a perda ou devolução dos benefícios fiscais até aí obtidos apenas em situações específicas como: reforma, despesas de educação, prestações de crédito habitação, desemprego de longa duração, incapacidade permanente para o trabalho e doença grave. De salientar que essas deduções se conjugam com os limites das deduções à coleta totais. Em qualquer outro caso, tenha em mente que o reembolso do seu PPR vai dar lugar a penalizações.

Tipos de Planos Poupança Reforma

A rentabilidade da maioria dos PPR é usualmente baixa, variando entre 1,5 % e 5% com a média a ficar pelos 3,5 %. Os PPR com maior exposição ao risco, sem garantia de capital, conseguem apresentar rentabilidades superiores.
Existem vários tipos de PPR, uns mais arriscados (com investimentos em ações) e outros menos arriscados mas com menos rendibilidade, tudo depende do vosso perfil de investidor (mais ou menos risco):

  • PPR com uma taxa garantida proporciona mais garantias, no entanto oferece um potencial de rentabilidade limitado.
  • PPR com capital garantido proporciona garantias (embora menos do que um PPR com taxa garantida), mas por outro lado, oferece um potencial de rentabilidade relativamente limitado.
  • PPR ligado a unidades de participação com uma componente ação inferior a 40% é feito para investidores menos conservadores, tendo um potencial de valorização superior a um PPR garantido, no entanto, também tem mais riscos associados.
  • PPR ligado a unidades de participação com uma componente ação entre 40% e 55% é um PPR para investidores que gostam de um maior risco, mas com um maior potencial de rendibilidade a longo prazo. 

Fundo ou seguro, por qual optar?

Um PPR pode ser feito sobre a forma de seguro ou de fundo. Os seguros podem ter ou não o capital garantido. Os seguros com capital garantido podem ter ou não um rendimento mínimo, fixo ou variável. Muitos seguros apresentam um rendimento mínimo calculado com base na Euribor do ano anterior, para acompanhar as taxas de juro do mercado.

  • Os seguros PPR com garantia de capital cobram, em geral, comissões mais elevadas (média de 2,1%, pela subscrição e 1,2%, pela gestão). Ou seja, a garantia de um rendimento mínimo é mais cara.
  • Os fundos PPR, independentemente de investirem no mercado acionista, nunca garantem um capital mínimo. Os que investem em ações são mais arriscados, mas, a longo prazo, podem ser mais rentáveis. Os fundos que não investem na Bolsa são de menor risco e menos rentáveis: em média, proporcionaram 2,2% no mesmo ano.
  • Quanto às transferências, são gratuitas no caso dos fundos PPR, o que lhe garante sempre a possibilidade de mudar sem custos se não estiver satisfeito com a performance do seu PPR

Como escolher o melhor PPR?

Antes de tomarem qualquer decisão, há vários fatores a ter em conta:

Leia também...