Transtorno de Personalidade Narcisista | A Nossa Vida

Transtorno de Personalidade Narcisista

Retrato de cssp
29.10.2019 | 09:50
cssp:
Membro desde: 01.04.2009

Já alguém ouviu falar? OU teve alguma experiência?
Acabei de vivenciar uma relação com uma pessoa em que identifico muitos características deste transtorno. Era uma relação toxica. Compreender como funciona a mente deles tem-me ajudado muito.
Gostava de partilhar experiências e opiniões.

Obrigada.


Retrato de alexandraalegre
Seg, 04/11/2019 - 17:52
alexandraalegre:
Membro desde: 04.11.2019

Olá cssp!
Antes de mais, a experiência pessoal que trago sugere apenas alguns sinais que fui sentindo, avaliando ... algumas leituras que fiz e acompanhamento que tive! Nunca sabemos ao certo se poderemos dizer que estamos perante alguém com TPN, uma vez que isso só se a própria pessoa procurar ajuda e entendimento ... mas, de qualquer dos modos, independentemente disso é sempre importante perceber quais são as bandeiras vermelhas de um relacionamento tóxico/abusivo.

Situações pelas quais passei/vivenciei nesse relacionamento:

- Constantes idas e vindas da pessoa. Posso afirmar que num momento estava tudo bem e no dia seguinte a pessoa "desaparecia";

- Nesses momentos normalmente colocava em mim a culpa de tudo, ainda que eu nem sequer percebesse o que se estava a passar. Um exemplo: eu poderia queixar-me que não me estava a sentir valorizada. A pessoa, ao invés de conversar ou de tentar perceber a situação, basicamente lidava muito mal com esse tipo de "confronto", ia buscar assuntos de anos atrás e deixava-me a falar sozinha;

- Fazia o chamado "tratamento silencioso". Podia estar dias, semanas sem me falar. Sem terminar efetivamente. Sem explicar. Agia como se eu não fosse nada;

- Normalmente existiam outras pessoas. Fui percebendo isso ao longo do tempo. Ou seja, quando ele se afastava normalmente era para conhecer, falar, divertir-se com outras pessoas do sexo feminino. As redes sociais, infelizmente, dão muitos sinais e comecei a entender que se conectava com certas pessoas quando não estava bem comigo. Quando queria estar bem comigo voltava a desconectar-se. Para depois as procurar novamente. Era como se tivesse imensas vidas que eu desconhecia. Eu era a "oficial", mas depois havia todo um mundo paralelo;

- Não mostrava empatia nos momentos de ruptura, nem da minha "aflição" quando de, um momento para o outro, desaparecia. Contudo, afirmava-se como alguém muito empático;

- Sempre tentei afastar-me e, muitas vezes, após palavras duras e silêncios, ele voltava sempre (atenção, no caso de TPN) há uma grande tendência de voltarem à "vítima" principal), e ele nunca deixava eu seguir a minha vida completamente. Era incoerente no discurso, intempestivo, rapidamente eu passava de "bestial a besta".

- Os términos eram extremamente dolorosos. Eu ficava com a auto-estima e confiança destruídas. Com um sentimento de culpa brutal. Muitas vezes confusa, pois normalmente quando eu argumentava o que sentia sobre ele, ele fazia-me sentir como se o pior começasse sempre em mim ... e isso justificasse os comportamentos dele;

- Eu tinha sempre a sensação de ser forçado. Sobretudo nos últimos tempos, tudo o que ele me dizia parecia "ensaiado". Eu saía da beira dele pesada, cansada, abatida, era muito estranho. Uma confusão mental indescrítivel;

- No entanto, ele fazia-me sentir uma princesa, a melhor, "a pessoa da vida dele". Até que em cada click de viragem, ele era capaz de me tratar como se fosse descartável.

Claro que com o tempo fui lendo, fui aconselhada, fui acompanhada. É duro e nem sempre é fácil o desprendimento, ainda hoje sofro com isso. Voltei muitas vezes atrás, aceitei estar em condições ridículas e nem sei bem explicar porquê. É um envolvimento muito forte e nem sempre conseguimos espelhar o que sentimos e passamos, porque é um bocado silencioso. Não há marcas físicas. A não ser as olheiras, o mau ar, a perda de forças. Mas há muita coisa que ajuda e a vida também se encarrega de nos libertar do pior. É preciso força! Desejo-te o melhor.