A redundancia da falta de relacoes sexuais | A Nossa Vida

A redundancia da falta de relacoes sexuais

Retrato de Daniel1985
24.09.2020 | 01:12
Daniel1985:
Membro desde: 24.09.2020

Olá a todos os membros e desde já o meu obrigado por lerem o meu desabafo.
Tenho 36 anos, casado com 1 filhote.
Tal como muitos posts que vi neste forum, sofro de um problema infelizmente comum no casamento, a falta de relações íntimas.
Desde sempre que as nossas relações nunca foram como idealizava, tanto na frequencia com que estavamos juntos como na forma monotona que ao longo do tempo criamos quando estamos juntos.
Depois de casados, a relação pouco melhorou nesse aspecto e a vinda de um filho piorou a nossa vida intima.
Eu acredito que em casa deve haver uma divisao de tarefas o mais igual para ambos os membros, daí que desde sempre, cozinho, trato da roupa suja, faco as compras e tento ter tudo em casa sempre funcional. Com isto nao quero dizer que a outra pessoa nao faz nada, faz claro ! outras coisas dividindo as tarefas o melhor possivel.
No entanto, quando nos vamos deitar é o tipico beijinho de boa noite e pronto amanhã é outro dia. Quando acontece termos relações ( de 3 em 3 semanas) é sempre da mesma forma, sem tentar procurar coisas novas, e ja nao existe aquele cuidado em estar apresentavel para o companheiro como dantes.
Ja falei inúmeras vezes com a minha companheira, e ela compreende. Mas voltamos sempre ao mesmo.
Por favor, se alguém passou pelo mesmo que relate um pouco da sua experiência. Pode ser que consigA superar isto, pode ser que veja as coisas de outra forma, pode ser que seja eu a estar errado...
Obrigado


Retrato de G0N
Sex, 25/09/2020 - 19:31
G0N:
Membro desde: 25.09.2020

Acho que este problema é comum a todos os casais... principalmente quando estao juntos há muito tempo, e principalmente depois de começarem a chegar as crianças. Aqui é muito idêntico.

As mulheres pensam e agem totalmente diferente dos homens neste tema, e enquanto nós temos sempre a testosterona lá bem no alto, elas é o oposto, têm no nível minimo. Nós queremos ir directos ao assunto, e as mulheres, no seu geral, dão muito mais importância aos preliminares, e aos pequenos gestos no dia a dia.

A coisa nao é facil/rapida de resolver, principalmente numa vida sedentária que todos levamos, dormir, acordar, trabalhar, comer, dormir, repeat.
mas assumindo que a relação está boa , excluíndo a nivel sexual, e que gostam um do outro, experimente elogiar mais vezes a sua mulher, faça-a sentir-se especial. Deixe tambem ser ela a procura-lo, e quando assim for não vá directo... ofereça alguma resistencia mas sem exagerar
Deixe o seu filho com os avos e façam um fim de semana em qualquer lado, de uma forma regular (algumas vezes por ano), mesmo que seja low cost, simplesmente pela ideia de fugir da rotina e estarem juntos apenas um com o outro.
Puxe pela cabeça, vale a pena.

Espero que ajude.

Retrato de carlos_gomes
Ter, 29/09/2020 - 17:29
carlos_gomes:
Membro desde: 25.09.2007

Esse tipo de jogo não resulta no longo prazo. Resulta uma duas vezes no curto prazo mas não resolve o problema subjacente.

O problema é efectivamente muito comum e inegavelmente parte sobretudo das mulheres. Porquê?

A resposta é complexa mas os estudos indicam que muitas mulheres não vêm o casamento duma forma sexualizada. Ou seja, para muitas o sexo é antes e fora do casamento. Com isto não estou a dizer que sejam infiéis (a esmagadora maioria não é). Simplesmente não acham que o casamento seja uma forma de expressão sexual, isso para muitas foi o namoro. Nem todas as mulheres são assim, muitas há que vêm o casamento com intimidade e outras levam um choque (divórciol e depois aprendem a não cometer esse erro.

Mas basicamente é isto. Tem que ver com a significância inconsciente que a mulher atribui ao casamento. Se você casou com uma mulher neste formato não tem grande solução. Há coisas que atenuam o problema, mas não o resolvem em definitivo.

Este é um dos principais problemas pelo qual os casamentos acabam.

O melhor conselho que alguma vez alguém lhe dará sobre isto é este:
-Aceite ou desista! Não insista!

Retrato de carlos_gomes
Ter, 29/09/2020 - 17:29
carlos_gomes:
Membro desde: 25.09.2007

Esse tipo de jogo não resulta no longo prazo. Resulta uma duas vezes no curto prazo mas não resolve o problema subjacente.

O problema é efectivamente muito comum e inegavelmente parte sobretudo das mulheres. Porquê?

A resposta é complexa mas os estudos indicam que muitas mulheres não vêm o casamento duma forma sexualizada. Ou seja, para muitas o sexo é antes e fora do casamento. Com isto não estou a dizer que sejam infiéis (a esmagadora maioria não é). Simplesmente não acham que o casamento seja uma forma de expressão sexual, isso para muitas foi o namoro. Nem todas as mulheres são assim, muitas há que vêm o casamento com intimidade e outras levam um choque (divórciol e depois aprendem a não cometer esse erro.

Mas basicamente é isto. Tem que ver com a significância inconsciente que a mulher atribui ao casamento. Se você casou com uma mulher neste formato não tem grande solução. Há coisas que atenuam o problema, mas não o resolvem em definitivo.

Este é um dos principais problemas pelo qual os casamentos acabam.

O melhor conselho que alguma vez alguém lhe dará sobre isto é este:
-Aceite ou desista! Não insista!

Retrato de MOPA
Qui, 08/10/2020 - 12:16
MOPA:
Membro desde: 23.06.2015

Olá!
Sou mulher. Também sou casada e também tenho filhos.
Quanto as rotinas, sim, confesso que muitas vezes matam as relações. Por isso é preciso fazer um esforço.
Soluções milagrosas não há. Enquanto não há filhos é tudo muito fácil, há tempo e disponibilidade para tudo, mas depois dos filhos nascerem tudo muda.
O que é que lhe posso dizer enquanto mulher? bem, nós temos necessidades diferentes dos homens, mas daí a estar 3 semanas sem qualquer tipo de intimidade vai uma distância longa...
Tenha uma conversa séria com ela. Diga que as coisas não podem mudar por 1 mês ou 2 e depois volta tudo ao mesmo... diga que está farto dessa conversa. Diga que quer mesmo que as coisas mudem a sério.
Se tiverem os avós ao pé, deixem-no 1 dia e uma noite com eles e vocês vão curtir. Só vocês.
Desafie a sua mulher a ir a uma sexshop e comprar algum brinquedo (aliás nem precisam de ir, podem ver on-line). Publicidade à parte, tem a vibrolândia que vende on-line e são de confiança ;-). Podem passar a tarde num motel...
Desafie a sua mulher a deixar a pasmaceira do sofá, da televisão, do telemóvel. Diga-lhe que tem que fazer um esforço... vão a um conselheiro matrimonial.
Falo por mim, as vezes é mais confortável estar no sofá a ver qualquer coisa, mas depois penso que há coisas tão mais interessantes que se podem fazer com a pessoa que amamos e... acaba-se a tv ...
Tudo de bom!

Retrato de carlos_gomes
Qui, 08/10/2020 - 17:20
carlos_gomes:
Membro desde: 25.09.2007

Essas soluções são passageiras. Duram às vezes dias, outras vezes semanas ou meses, mas não mudam em permanência a situação.

Os filhos não ajudam, mas muitos casais já experimentam este problema mesmo antes dos filhos.

O problema está em encarar o casamento como uma relação também sexual. Isso é complexo de fazer para algumas pessoas pois a viver sobre o mesmo tecto de outras pessoas não incluía sexo até casarem.

Quer uma solução efectiva? Estranha. Mas efectiva.
Separem-se de casa mas mantenham-se casados. Deixem de viver sob o mesmo tecto.
Quer apostar como a mulher vai passar a querer ter sexo a cada visita à casa um do outro?!...

Retrato de MOPA
Seg, 12/10/2020 - 17:40
MOPA:
Membro desde: 23.06.2015

Olá Carlos Gomes,
Respeito a sua opinião, mas permita-me discordar.
A sua solução até poderia ser plausível se fossem dois, no entanto existe uma criança pelo meio. Como é que se explica a um filho/a que a mãe e o pai continuam juntos, amam-se muito mas vivem em casa diferentes? o filho em comum iria viver com quem? uma semana à vez com cada progenitor? sim, pode ser, acontece muitas vezes em pais divorciados... aqui não há divórcio...será que vale a pena sujeitar a criança a essa situação? não sei...
Acho que a solução passa mesmo por terapia de casal, falar com sexólogo, e sobretudo a esposa ter força de vontade. As rotinas são tramadas. É preciso ter força de vontade para quebrar a pasmaceira.

Retrato de carlos_gomes
Qua, 14/10/2020 - 08:38
carlos_gomes:
Membro desde: 25.09.2007

Se ler a minha mensagem vai ver que digo isso mesmo. Que a solução que proponho é "estranha". E é! Agora lá que também é efectiva, lá isso não haja dúvida. O que diz sobre filhos é facto, mas isso é outro problema. Que a questão da falta de sexo se resolve muitas vezes com as pessoas a deixar de viver sob o mesmo tecto, é um facto, muitas vezes basta isso e a sexualidade muda radicalmente.