O que se passa comigo???? | A Nossa Vida

O que se passa comigo????

Retrato de Vânia-Lila
30.01.2011 | 02:00
Vânia-Lila:
Membro desde: 21.02.2010

Olá meninas,
é a primeira vez que escrevo neste fórum...e, embora tenha considerado fazê-lo, cheguei à conclusão que se não o fizer acho que vou dar em doida!!!
Não quero alongar-me muito... casei há 5 meses, na nossa relação tudo corre bem, já namoravamos há 10 anos e estavamos a morar juntos há uns meses quando casámos. Tivemos um casamento fantástico e uma lua de mel mais fantastica ainda!!!

O que se passa, então?? Bem, a verdade é que desde que voltámos de lua de mel que não consigo perceber o que tenho...basicamente não me apetece fazer nada!!! Mesmo nada!!!
Sou advogada, tenho escritório próprio sem partilhar com nenhum colega. Tem aparecido trabalho para mim e disso não me posso queixar... claro que, para já, quem "sustenta" as nossas contas bancárias é o meu marido, pois é uma profissão que poderá compensar, mas a médio longo prazo!!!! A questão é que não gosto do que faço, cada vez gosto menos...não me dá vontade de ir para o escritório trabalhar, nem sequer de falar em Direito!!! O pior: todos acham que estou doida porque foi para isto que "nasci"...porque é a minha cara, porque ninguém me imagina a fazer outra coisa, porque supostamente sou boa naquilo que faço e finalmente porque não andei a desperdiçar 10 anos da minha vida a escolher uma profissão que agora me lembro de não gostar...
Assim, eu vou aguentando, dia após dia...mas sinto que todos os dias que passam me sinto um pouquinho mais infeliz, cada vez menos motivada, cada vez mais confusa! E acontece-me uma coisa que nunca me aconteceu: isolo-me...não me apetece, literalmente, sair de casa para nada!!!! Passo dias a vegetar, sem reacção...desanimada e sem a mínima idéia do que fazer para alterar isso!
Ora, nos primeiros tempos eu e o meu marido discutimos várias vezes, mesmo muitas por causa disto... e depois disto tenho feito um esforço para me concentrar e organizar a minha vida, mas a verdade é que não está a resultar! Agora, não discutimos porque ele anda super entusiasmado com um novo negócio que está a montar e eu finjo que estou bem e motivada.
Ele acha que tenho estofo para tudo isto e muito mais, que me apoia em tudo e dinheiro não é problema, portanto se for preciso mudar de escritório para outro sitio (porque recebi um convite para trabalhar com outra colega) e aguentar uns tempos as despesas, não há stress. Como vêem, ele é o meu maior admirador... eu é que não! Juro que até já me passou pela cabeça...ser dona de casa, abandonar a carreira... sei lá, outras vezes acho que é porque não gosto do que faço...a maior parte das vezes convenço-me que tenho um problema grave: será que não gosto de trabalhar, serei preguiçosa demais para me mexer????!!!! Esta conclusão é, para mim, aterradora, pois nunca achei que fosse assim, mas é o que me sinto, uma verdadeira inútil!!!

Para quem não se ia alongar muito... desculpem!!! É mais um desabafo do que outra coisa, já que todos os que me rodeiam não conseguem assimilar nada disto...

Beijocassss


Retrato de _Marta_
Dom, 30/01/2011 - 02:17
_Marta_:
Membro desde: 08.12.2008
Vânia-Lila wrote:

Olá meninas,
é a primeira vez que escrevo neste fórum...e, embora tenha considerado fazê-lo, cheguei à conclusão que se não o fizer acho que vou dar em doida!!!
Não quero alongar-me muito... casei há 5 meses, na nossa relação tudo corre bem, já namoravamos há 10 anos e estavamos a morar juntos há uns meses quando casámos. Tivemos um casamento fantástico e uma lua de mel mais fantastica ainda!!!

O que se passa, então?? Bem, a verdade é que desde que voltámos de lua de mel que não consigo perceber o que tenho...basicamente não me apetece fazer nada!!! Mesmo nada!!!
Sou advogada, tenho escritório próprio sem partilhar com nenhum colega. Tem aparecido trabalho para mim e disso não me posso queixar... claro que, para já, quem "sustenta" as nossas contas bancárias é o meu marido, pois é uma profissão que poderá compensar, mas a médio longo prazo!!!! A questão é que não gosto do que faço, cada vez gosto menos...não me dá vontade de ir para o escritório trabalhar, nem sequer de falar em Direito!!! O pior: todos acham que estou doida porque foi para isto que "nasci"...porque é a minha cara, porque ninguém me imagina a fazer outra coisa, porque supostamente sou boa naquilo que faço e finalmente porque não andei a desperdiçar 10 anos da minha vida a escolher uma profissão que agora me lembro de não gostar...
Assim, eu vou aguentando, dia após dia...mas sinto que todos os dias que passam me sinto um pouquinho mais infeliz, cada vez menos motivada, cada vez mais confusa! E acontece-me uma coisa que nunca me aconteceu: isolo-me...não me apetece, literalmente, sair de casa para nada!!!! Passo dias a vegetar, sem reacção...desanimada e sem a mínima idéia do que fazer para alterar isso!
Ora, nos primeiros tempos eu e o meu marido discutimos várias vezes, mesmo muitas por causa disto... e depois disto tenho feito um esforço para me concentrar e organizar a minha vida, mas a verdade é que não está a resultar! Agora, não discutimos porque ele anda super entusiasmado com um novo negócio que está a montar e eu finjo que estou bem e motivada.
Ele acha que tenho estofo para tudo isto e muito mais, que me apoia em tudo e dinheiro não é problema, portanto se for preciso mudar de escritório para outro sitio (porque recebi um convite para trabalhar com outra colega) e aguentar uns tempos as despesas, não há stress. Como vêem, ele é o meu maior admirador... eu é que não! Juro que até já me passou pela cabeça...ser dona de casa, abandonar a carreira... sei lá, outras vezes acho que é porque não gosto do que faço...a maior parte das vezes convenço-me que tenho um problema grave: será que não gosto de trabalhar, serei preguiçosa demais para me mexer????!!!! Esta conclusão é, para mim, aterradora, pois nunca achei que fosse assim, mas é o que me sinto, uma verdadeira inútil!!!

Para quem não se ia alongar muito... desculpem!!! É mais um desabafo do que outra coisa, já que todos os que me rodeiam não conseguem assimilar nada disto...

Beijocassss

Vânia,

Antes de mais, muito bem-vinda ao fórum! Smile
Se calhar é importante começar por te perguntar uma coisa, que não ficou muito explícita (para mim) no teu testemunho: já tinhas trabalhado antes? Pergunto isto porque, para a grande maioria das pessoas, passar de estudante a trabalhador é muito penoso! Questionamos tudo: se gostamos do que fazemos, se somos competentes, se vale a pena, etc.!
Pondera, acima de tudo, os prós e contras de abandonares a tua profissão: tens algo que gostasses de fazer? Sentir-te-ias realizada nalguma profissão/trabalho? Em qual? Onde poderias trabalhar? Quais as hipóteses (reais) de conseguires esse trabalho? Será que seres dona de casa a tempo inteiro (como referes) te preencheria como mulher e como trabalhadora?
Se calhar são perguntas a mais, quando gostarias de obter respostas... E... não interessa o que os outros dizem, o que os outros pensam!
Quanto à tua tendência para te isolares, parece-me que é causada pela desmotivação que tens vindo a sentir e também por achares que ninguém compreende o teu ponto de vista. A questão é que daí à depressão é um passo, e por isso deves fazer um esforço por te "mexeres" um bocadinho. Aproveita os tempos livres para fazeres coisas que gostas e não te martirizares com a advocacia!
Por último, um conselho: não "mintas" ao teu marido, fingindo que estás bem. É com ele que deves contar para tudo... Pede-lhe opinião, envolve-o nesta situação, e quem sabe se ele não poderá ser uma grande luz ao fundo do túnel e ajudar-te a ver o que precisas de ver? Smile
Boa sorte!!

Retrato de Edy
Dom, 30/01/2011 - 02:19
Edy:
Membro desde: 09.02.2008

Quero dar-te os parabéns pela iniciativa e pela coragem de contares o que se passa contigo. A mente e psicologia humana podem ser bem complexas, e às vezes temos reacções supostamente inexplicáveis e que nem contamos aos outros com medo da incompreensão e das críticas.

Eu sinceramente não sei o que é que te poderá ajudar. Não sei sequer se uma conversas com um psicólogo ou um psiquiatra poderão surtir algum efeito.
Mas vou estar muito atenta ao comentários do tópico, até porque alguém pode já ter passado pelo mesmo e superado o problema.

E, claro, estou a torcer para que tudo se resolva Smile

beijinhos

Retrato de Vânia-Lila
Dom, 30/01/2011 - 02:45
Vânia-Lila:
Membro desde: 21.02.2010

Vou tentar responder às tuas questões...:)

Não, na verdade eu nunca trabalhei em nada que não tivesse que ver com a minha área. Terminei o curso e fui directamente para um estágio numa das grandes sociedades de advogados do porto. Foi a loucura total, na altura... bem, toda a gente ficou super feliz e orgulhosa - eu incluída - por ter sido convidada para esse estágio logo no dia em que terminei o curso.
Lembro-me que estava muito feliz e ao mesmo tempo aterrorizada, pois era uma coisa nova e tinha medo de não corresponder. Depois, com o passar do tempo, simplesmente desmoronei...o meu "grande estágio" foi um fiasco, nunca fui apoiada pelo meu patrono...basicamente não me dava nada para fazer, nem quando lho pedia. Apercebi-me que estava ali por um motivo: tinha uma cara laroca e boa apresentação...foi sempre o que me disseram, que era um grande cartão de visita da sociedade. Com o tempo passei a sentir-me assim, uma peça bonita da decoração! Entretanto incompatibizei-me com o meu patrono pois o senhor não sabia respeitar os limites e barreiras profissionais.
Jurei a mim mesma que nunca lá iria ficar. E não fiquei...mal terminei o estágio, saí e estabeleci-me. Mas a verdade é que vais fazendo as coisas porque é assim...ou seja, não pensas muito nelas, não é? Fazes porque tens de fazer. O que acontece é que quando me vi sozinha a trabalhar parei e pensei...eu não gosto disto! Não é isto que me vejo a fazer... talvez porque realmente não tenha tido boa experiência nos primeiros passos da profissão.

O que eu gostava de fazer... ora, eu gostava de fazer muitas coisas. Sinto que tenho uma grande queda para a criatividade...coisa que está totalmente fora da minha área de formação. Decoração de interiores, organização de eventos, desenho...enfim, até culinária, que absolutamente adoro de paixão!
O que me parece é que tudo isto está completamente fora da realidade, entendes? Quais são as probabilidades de arriscar e mandar tudo para o alto para me aventurar num projecto que pode muito bem sair furado?!?
Eu vivo neste mundo e tenho perfeita noção de que são áreas já muito preenchidas e se quem tem formação não consegue vingar...imagina eu!!!

O que eu não quero é cair numa depressão...que sei muito bem que para lá caminho a passos largos se não fizer algo para mudar rapidamente.

Quanto ao marido, tens toda a razão...isto vai ter de ser conversado porque está longe de estar resolvido. Mas vejo-o tão absorvido com este novo projecto dele...e chego até a sentir inveja porque ele tem objectivos e determinação e eu continuo neste marasmo!

Obrigada pelos conselhos! E principalmente por "ouvires"...

Beijocas

Retrato de Vânia-Lila
Dom, 30/01/2011 - 02:58
Vânia-Lila:
Membro desde: 21.02.2010

De facto não é uma coisa fácil...contar as coisas assim, sem floreados, expor-me assim desta forma foi coisa que me fez pensar!
Mas a verdade é que acho que não temos de ter vergonha por admitirmos que a nossa vida não é sempre tão cor de rosa (mesmo que tenha todos os ingredientes para o ser).

O que me fez desabafar aqui é o facto de não conseguir fazê-lo com os meus mais próximos porque todos acham que estou louca!!!! Onde já se viu querer abandonar uma "carreira brilhante de advogada" para se atirar numa aventurazeca qualquer! Hoje em dia sentes pressão por todo o lado: para ser boa mulher, boa mãe, boa profissional... se és bonita é um estereótipo porque não te levam a sério, tens uma cara bonita não a competência necessária... e ter de estar sempre a provar a toda a gente que isso é errado...é extenuante!!!! Se, por outro lado, optares por não exercer a profissão que escolheste e ficar em casa a tomar conta dos filhos...toda a gente olha para ti de lado, como se não fosses boa da cabeça!!!!

Talvez tenha mesmo de recorrer a ajuda dos profissionais, mas sinceramente...o que poderão eles dizer que eu já não saiba???

O que eu queria era sentir-me motivada com alguma coisa...um projecto novo que me fizesse sentir viva de novo! Porque ficar em casa a vegetar já eu fiquei e não resolveu nada, só piorou!
Sou uma pessoa comunicativa por natureza, sou alegre e muito faladora, gosto de me arranjar e sentir-me bem comigo própria...e hoje em dia: sou o desleixo personificado!

Beijocas

Retrato de Daniela2011
Dom, 30/01/2011 - 10:05
Daniela2011:
Membro desde: 20.11.2010

Já pensou naquilo que VOCÊ quer ? È que você tem em muita consideração a felicidade dos outros . E a sua ???

Não pense que a decoração è o mundo maravilhoso que dizem ou como sai nas revistas . Mas se for esse o seu caminho porque não?

Retrato de AID
Dom, 30/01/2011 - 13:40
AID:
Membro desde: 27.08.2008

Realmente estás numa situação muito complicado, por mais que tente nem consigo imaginar o que estás a passar e a tristeza que possas estar a sentir...

Não sei se serei uma grande ajuda mas vou deixar uma ou duas opiniões que valem o que valem. Já te imaginaste a trabalhar noutra área do direito? Que não um escritório a atender clientes, ou pelo menos não a tempo inteiro...uma empresa, formação, estado...
Será que o facto de estares num escritório sozinha também não te está a afectar, sendo tu uma pessoa tão comunicativa? Falo por mim, eu já mais me imagino a trabalhar num sitio sem mais ninguém, isto não quer dizer que passe o dia a falar sem fazer nada, mas o facto de almoçarmos e de pararmos por 10 ou 15 minutos para um café ou lanche rápido com outra pessoa tem um efeito miraculoso, por vezes desabafar e ouvir outra opinião sobre aquela tarefa que nos está a dar conta do miolo nos alivia ou passamos a ver o nosso problema de outra perspectiva.
E acima de tudo expõe o quanto antes tudo o que estás a sentir ao teu marido, mesmo que ele tente ignorar faz-lhe ver que é um assunto muito serio, que a tua/vossa felicidade e bem estar está também dependente do teu bem estar profissional.

Espero que resolvas tudo pelo melhor e rápido.

Ana

Retrato de Silvia1980
Dom, 30/01/2011 - 13:50
Silvia1980:
Membro desde: 30.09.2010

Queria-te dar os parabéns pela coragem que tiveste em deixar aqui escrito o que te vai na alma. Não digo mais do que já aqui foi dito e que tu própria já disseste.
A única coisa que queria deixar aqui era pq não tentas tirar um outro curso dentro daquilo que gostarias: decoração, culinária, etc. Nem que seja aqueles tipo Workshops. Ao menos já havia algo que te motiva-se no teu dia-a-dia. E assim o teu trabalho já não te custaria assim tanto, talvez :). Se tens tempo livre ou podes tirar um tempinho para ti durante a semana aproveita e dedica-te a ti e ao que gostavas de experimentar, e quem sabe se não descobres aí uma nova veia artística :). Força, coragem e segue em frente com o teu coração, mas nunca esquecendo a cabecinha Wink

O Blog da Dieta dos 31 Dias

http://asdeliciasdasguerreiras.blogspot.pt/

Retrato de saraarg
Dom, 30/01/2011 - 21:05
saraarg:
Membro desde: 12.10.2008

Olá Vânia,

Não sei se te consigo ajudar muito mas ... tb sou colega de profissão Wink

Pelo teu discurso não consigo perceber se o teu estado de espírito está ligado exclusivamente à profissão ou se existirá algo mais. Julgo que, acima de tudo, deves procurar desde já ajuda especializada nem que seja para te "conheceres melhor" e conseguires procurar um caminho certo.

Relativamente à profissão não é nada fácil e se queres que te diga tb eu tenho tantas dúvidas se é isto que quero Smile Enfim Smile

Se quiseres envia mail: [email protected]

Bjs

Retrato de A Little Girl
Dom, 30/01/2011 - 21:17
A Little Girl:
Membro desde: 09.02.2009

Compreendo a tua situação até porque também me sinto assim um pouco...Ando desiludida com a minha vida profissional e sinceramente não sei se quero continuar a fazer o que faço o resto da vida...
Já pensei em mudar de área, e a solução talvez passe por aí.
Força!!

Retrato de sibilla
Dom, 30/01/2011 - 23:51
sibilla:
Membro desde: 03.11.2010

Ao contrário da maioria dos conselhos que possas receber aqui, não te vou dizer para "seguires o teu sonho" e mudares de vida radicalmente.

Tal como te aconteceu após 10 anos de trabalho, a mim aconteceu inúmeras vezes ao fazer a minha tese de doutoramento. Tantas vezes me ocorria: vou desistir, vou mandar isto tudo às urtigas, vou ser dona de casa (lol), já nem gosto disto como antes, não sei porque comecei...

Às vezes (quantas vezes!) num trabalho de que gostamos passa-se o mesmo que numa relação: será que ainda vale a pena? porque é que não é sempre espectacular? porque é que não é só facilidade? É natural que te passe pela cabeça que devias ter feito mais coisas antes de começares, certamente bastante jovem, numa carreira tão preenchida. Eu sei porque comecei o doutoramento com 23 - daí imagina o meu ódio à coisa.... Mas não desisti. Pensei, como tu, desistir e dedicar-me à decoração, a trabalhos manuais, ao que quer que fosse. Mas se calhar essas coisas são melhores hobbies do que empregos fixos; já pensaste se deixavas tudo por isso e depois, em 10 anos, ou provavelmente menos, sentias ainda mais monotonia e desconforto?

Creio que não te devo dar grandes conselhos, mas parece-me que o ideal é começares a fazer essas coisas de que gostas como hobbie. Usa o teu gosto pela decoração como um escape para a rotina do teu trabalho quotidiano. Se fazes trabalhos manuais, começa por aperfeiçoá-los e, se fores boa nisso, cria por exemplo um site onde vendas as tuas coisas. Até podes vir a dedicar-te apenas a isso, mas não saltes fora de uma carreira estável sem teres chão!

Beijinhos e força!

If you don't like my peaches, baby, why do you shake my tree?

Retrato de Edy
Seg, 31/01/2011 - 00:17
Edy:
Membro desde: 09.02.2008

Eu concordo totalmente com a Sibilla, e até te aconselho, por exemplo, a criares um blog onde fales de decoração e das outras coisas de que gostas. Isso pode dar-te ânimo.

No entanto, receio que, no dia-a-dia de trabalho, as preocupações e a desmotivação não desapareçam.
Como já alguém disse, já pensaste fazer algo diferente dentro da tua profissão, nem que seja como complemento ao que já fazes?

Retrato de Daniela2011
Seg, 31/01/2011 - 09:21
Daniela2011:
Membro desde: 20.11.2010

A decoração neste momento tornou-se o sonho de muita gente, nova e menos nova.
Mas como em todas profissões de sonho à realidade a diferença é grande, ver coisas bonitas todos queremos. Mas, fazer coisas bonitas para os outros, só quando nos deixam, e maior parte do tempo temos de gramar com cada mostrengo que nada tem com o nosso gosto pessoal.

Mas è ao gosto de quem paga, nestas alturas è como se nos sentíssemos violados è o outro lado da moeda de todas as profissões.

Retrato de Patrícia Fonseca
Seg, 31/01/2011 - 11:59
Patrícia Fonseca:
Membro desde: 13.01.2010

Olá minha querida, como me revejo nas tuas palavras.

somos colegas de profissão, e hoje estou a trabalhar no escritorio onde estagiei, e também estou casada mas há 7 meses.

o meu estágio, ao contrário do teu, foi excepcional, aprendi muito, mas depois de integrar no escritorio, tudo mudou, o ambiente deixou de ser saudável, o que levou à minha desmotivação, à falta de vontade de acordar e vir trabalhar.

Mais, com o casamento fiquei muiti triste com certas atitudes, porque disseram-me que iam, e 3 dias antes, arrajaram desculpas esfarrapadas para justificar a falta, quando na realidade as justificações eram mentira.

o maridão tem sido impecável, anima-me e dá-me força, porque ao contrário de ti eu quero exercer, e gosto do que faço, mas não no sitio onde estou.

és uma sortuda, porque consegues angariar clientes, eu nem por isso, daí de vez em quando me dar volta ao miolo, e por causa desta desmotivação toda, já chorei muito, já discuti muito com o maridão, por coisas sem importância, mas conversamos, e expliquei tudo o que estava a sentir, e ele prometeu ajudar-me, e ajuda e muito.

e tal como o teu marido, também o meu me põe lá em cima e diz que sou boa no que faço.

eu acho que o teu desalento também se deve, à experiência enquanto estagiária, os patronos influênciam muito sobre a nossa forma de encarar a profissão, a nossa forma de actuar.

um conselho, pensa bem no que queres, para para reflectir, e sim vai recolhendo informações sobre decoração, se é o que mais gostas, mas até lá, e estando o pais no estado em que está, precisamos de ganhar dinheiro, pouco ou muito, tudo o que vier é bem vindo.

só para teres uma noção, eu faço escalas, porque foi o que ficou acordado, uma vez que, não me podem pagar o que pretendiam, e agora bufam por todos os lados.

eu faço as minhas coisas todas em casa, para ninguem me jogar à cara, que não faço as coisas do escritorio, e tão sempre na critica, nunca nada está bem. mas depois até está, e ao fim e ao cabo, sou igual a eles, tenho o mesmo estatuto, só não tenho os mesmos anos de experiência, e tenho mestrado.

por isso, calma, fala com o teu marido, porque irá apoiar, e encontrar uma forma de solucionares esse teu dilema.

beijo grande, qualquer coisa que precisares de mim diz, eu estarei sempre aqui.

Retrato de Katc
Seg, 31/01/2011 - 12:50
Katc:
Membro desde: 16.07.2009

Quando comecei a ler o tópico pensei que a Vânia estava numa situação parecida com a minha, mas quando li o comentário da Patrícia fiquei de quatro, comigo passa-se exactamente, mas exactamente a mesma coisa, com a excepção do casamento, que vai acontecer este ano.

Eu também sou colega de profissão e quando comecei a enviar currículos para estágio só mandei para escritórios pequenos, porque, na minha ideia, pensava que com menos pessoas eu teria mais trabalho para fazer. Assim foi, fiquei num escritório só com uma advogada, o meu estágio foi magnífico, fiz de tudo, apesar de não ganhar absolutamente nada, nem me pagavam as despesas, eu adorei, ganhei muita experiência e quando ia para a formação na ordem via que quase ninguém fazia o que eu fazia.

Quando o estágio terminou, entretanto já havia outra advogada, a trabalhar no escritório, mais velha do que eu apenas dois anos e que eu pensava que era uma boa companheira.

O escritório cresceu muito, muito mesmo, há trabalho para todas e ainda sobra, mas o sucesso do escritório subiu directamente à cabeça da minha patrona, mudou completamente, passou de ser uma pessoa simples, simpática, competente, a ser cheia de manias, arrogante, antipática com os clientes e a fazer tudo em cima do joelho, porque segundo ela não tem tempo.

Ofereceu-nos sociedade, em que dividíamos as despesas em partes iguais mas dos lucros eu só via 5%, agradeci, mas não aceitei, não achei justo, a outra aceitou sem quaisquer reservas, ainda hoje não percebi porquê.

A partir daí foi o calvário, recebo pouco mais que o salário mínimo, mas fiquei com os meus oficiosos, as minhas escalas e algum cliente que apareça, mas fui posta de lado, o meu trabalho está sempre mal feito, apesar de não estar, nunca assino, nem assinei uma peça daquele escritório, apesar de elaborar muitas delas, e até já me disseram que os cliente não me achavam segura de mim, quando sei que isso é uma grande mentira, pois todos os clientes gostam de mim.

Quando faço alguma coisa para mim tem que ser às escondidas e até já reparam nos telefonemas que faço ou recebo. A mim toca-me sempre o trabalho de rua, conservatórias, finanças, tribunais, o que me ocupa grande parte da tarde, quando não é a tarde toda, mas o meu trabalho nunca é reconhecido, segundo elas eu não faço nada. E ainda queriam que eu trabalhasse ao fim de semana e ao fim do dia em casa.
Não me deixam falar com os clientes, a não ser para dar más noticias, ou pedir alguma informação.

E por isso ando desmotivada, não me apetece sair da cama de manhã e conto os minutos para sair. Só me animo com os meus processos. Gosto muito do que faço e se tivesse condições para isso estabelecia-me sozinha, mas não posso.

Toda a gente me anima e também já pensei em desistir de tudo mas eu adoro o que faço, adoro mesmo e acho que não seria feliz, que é o que toda a gente também me diz.

Por isso não estão sozinhas, eu também me sinto assim.

Retrato de Vânia-Lila
Seg, 31/01/2011 - 13:37
Vânia-Lila:
Membro desde: 21.02.2010

Foi com muita surpresa que cá vim hoje e tinha tantas respostas e tantas pessoas que, de uma forma ou outra, se identificam com o que sinto.
Já há tanto tempo que ando a guardar isto para mim que, num impulso, resolvi escrever aqui. Estou farta de não ter um rumo e de nem sequer ter vontade de o procurar!

Penso que este problema, de facto, começou no tempo de estágio. Realmente, tudo era mágico no início...tão mágico que cheguei a desistir do Doutoramento em que estava inscrita na Universidade de Santiago de Compostela, por se tornar incompatível (hoje acho que foi uma grande asneira ter investido tudo num estágio que foi tudo menos isso!!!). Completei o primeiro ano curricular do doutoramento e fiquei a meio da tese do DEA. A partir daí tudo só piorou.
Terminei o estágio, fiz os exames de agregação (escrito e oral) e apressei-me a procurar um escritório para mim.
Nessa altura, decidimos casar... foi um periodo tão conturbado: mudança de casa, preparativos de casamento e mudança de escritório!!! O escritório foi ficando sempre para último... e quando essa confusão acabou, eu tinha um escritório que estava a funcionar a meio gás e zero de vontade de lá ir!
Passo os meus dias sozinha...nunca vou de manhã para lá...evito passar lá o dia todo, porque senão até tenho de ir comprar o almoço para ir almoçar para lá (já que não tenho ninguém com quem almoçar ou sequer para tomar um café!!!) e como não me sinto bem em sentar-me numa mesa sozinha para almoçar...vou para lá!

O meu marido acha que é por causa disso, que por estar tantas vezes e tanto tempo sozinha, que estou a desanimar e a ganhar raiva ao que faço. Não sei se é só isso...se calhar até é! É uma situação tão difícil de explicar... por exemplo: quando tenho um julgamento, uiiii, fico absolutamente aterrorizada, não tenho tanta experiência como deveria, só penso "e se fizer asneiras?, e se não souber como reagir a determinada situação?" sou capaz de ficar dias sem dormir e nem consigo comer no dia! Depois, corre bem e eu fico feliz, satisfeita comigo própria, orgulhosa... e penso "se calhar, até tenho jeito". Mas, na maior parte dos dias não gosto do que faço... passar dias a contar prazos, a redigir requerimentos, a estudar acções...consultar processos, ouvir clientes chatos e muitas vezes arrogantes e que nem te pagam!!!!

Há também a componente financeira: tenho tido trabalho para fazer, mas são coisas tão demoradas que ainda nem recebi metade delas!!! Não se vê...chegas ao final do mês e não tiras nada...é igual aos outros dias! Pessoas que dizem que te pagam e ficas meses à espera de por exemplo 150 euros!!!! Isto desgasta, desanima...nem sequer tiras uma contrapartida e faz-me sentir que estou a trabalhar para o boneco! Que mais vale ir fazer voluntariado!!!!

Para responder às questões das decorações e afins... realmente, deve ser uma coisa de gaja! Mas, toda a minha vida quis ter uma Quinta para casamentos e não desisti da ideia...muito antes de casar (claro que depois a vontade ficou ainda mais aguçada!)... vamos ver se um dia não concretizo esse sonho?

Acho que vou começar a fazer o que me aconselharam...procurar uns workshops em part time de coisas que me dão prazer fazer. Ocupar um pouco do meu tempo com isso...afinal, se nunca experimentei, também não sei se poderei gostar!
Até lá...o que preciso mesmo de fazer é sair daquele escritório o mais rapidamente possível e procurar outro sítio com mais do que uma pessoa (estou a pensar em aceitar o convite da colega) para me mudar para o Porto novamente. Se calhar até ganho outro ritmo e gosto pela profissão...

Muito obrigada a todas que me responderam e que perderam um bocadinho do vosso tempo para me darem a vossa opinião.

Àquelas meninas que estão na mesma situação...um dia de cada vez e sempre a pensar que vamos conseguir ultrapassar isto! É só uma fase má que vai passar...todas elas passam!

Beijocasss

Retrato de Patrícia Fonseca
Seg, 31/01/2011 - 14:06
Patrícia Fonseca:
Membro desde: 13.01.2010

tal e qual, sem tirar nem por.

é que os meus colegas de faculdade são só maravilhas, eu olho para mim, e não vejo nada.

também ganho pouco mais que o ordenado minimo, e agora deram para desfazer no trabalho que faço, no outro dia em plena reunião matinal, a patrona começou a por em causa o meu trabalho.

tal como tu adoro fazer os meus oficiosos, aliás, se não fossem eles eu não tinha experiência em tribunal.

afinal não sou a única. de onde és?

Retrato de Sasita
Seg, 31/01/2011 - 14:15
Sasita:
Membro desde: 03.02.2010

Olá Vania

Em primeiro lugar quero felicitar-te pela coragem em divulgar a tua história. Somos colegas, pelo que posso dizer te que te compreendo na perfeição, deve ser um mal de profissão...
Sinceramente não sei o que te diga, pois revejo-me nas tuas palavras.... Contudo penso que é algo passageiro, pois conheço muita gente que está ou já passou pelo mesmo. a nossa profissão é muito desgastante, embora as pessoas pensem o contrário.
Qualquer coisa manda uma mensagem privada.
bjs

Retrato de PatyF
Seg, 31/01/2011 - 15:34
PatyF:
Membro desde: 04.09.2009

Uma coisa que eu aprendí e continuo a aprender é que há pessoas especialistas a apontar o dedo faças o que fizeres!

Percebo a tua fustração de andares tantos a nos a matar-te nos estudos (Direito não é "pêra doce") para, hoje não te sentires realizada com o que fazes..Esse é um dos meus medos ao retomar os estudos..

Fazemos planos e depois as coisas não saiem como planeamos!

Eu acho que, se não estás ainda, estás a entrar numa depressão..Por isso, acho que um psicólogo te faria bem..ele vai ouvir-te sem te julgar e vai ajudar-te inclusivé a perceber se não é pela advocacia que passa a tua realização profissional!

Acho que deves perceber isso e não agir de cabeça quente!!

E se,não for mesmo isso que queiras fazer, acho que deves seguir so teus sonhos..Conheço tantas histórias de pessoas com altos cargos, onde aparentemente são felizes, que largam tudo e dedicam-se a outras áreas completamente diferentes, cozinha, decoração, etc!!

Acho fundamental, antes de tudo, perceberes bem e não confundiers com fase menos positiva na tua vida..

As pessoas não têm que ser felizes todas no mesmo, doutoras, engenheiras..e não o são!!

Há pessoas a plantar batatas, que se sentem bem com a vida que tÊm!!

Vais viver uma vida que não te faz feliz, sacrificar inclusivé o teu casamento, porque tens uma profissão que, aos olhos dos outros é louvavel e imperdivel!?!

Mas volto a repetir, tens de perceber, se isto não é somente uma fase menos boa na tua vida..

Depois, como já disseram, não deves esconder isto do teu marido..Eu percebo por que o fazes, em outras circunstâncias eu também achei melhor fazê-lo com o meu marido, mas cheguei à conclusão que não sou forte o suficiente para sorrir ao meu marido, quando por dentro estou em cacos!!

Juntos terão forças que tu sozinha não terás..

Percebo também quando falas no orgulho que a familia tem em ti e em não quereres que isso se perca.. Quando "saí de casa", a minha mãe disse-me que só queria que eu fosse feliz, estudasse eu ou não, fosse por que caminho fosse..e é isso que a tua familia quererá certamente..que tu sejas feliz..isso será o maior orgulho dos nossos pais..que sejamos felizes, que tenhamos a coragem de virar a mesa quando não estamos bem, que tenhamos coragem de admitir o que não está bem..e que tenhamos a coragem de tomar uma atitude.seguir um rumo!!

Por isso, minha querida, pensa em ti, procura ajuda para perceberes o que te vai na alma e, depois disso, é seguir em frente, fazer as mudanças que precisas fazer (se precisares)..sejam elas quais forem!!

Desejo que tudo corra pelo melhor, seja na advocacia, seja na decoração, seja no que for Smile

Um beijinho grande Hug Hug

P.S. Desejo o mesmo a quem está a passar pelo mesmo..Muita força Hug Hug

Retrato de avgomes
Seg, 31/01/2011 - 19:06
avgomes:
Membro desde: 14.06.2010

Olá Vânia.

Lendo o que escreveste lembrei-me de um ponto que talvez também te esteja desmotivar. Nem todos nós temos perfil para sermos donos de um negócio próprio. Por variadíssimos motivos, senão vejamos:

- Motivação própria - o negócio é teu e estás a trabalhar para ti. Se isso não te motivar mais nada o fará.
- Capacidade de gestão - Nem todos estamos capacitados de gerir um negócio. Ou porque não somos bons com contas, ou porque não percebemos do assunto ou simplesmente porque não gostamos.
- Capacidade de organização - Quem trabalha por conta própria tem de criar as suas próprias regras/horários e tentar ao máximo cumpri-las.

E provavelmente outros factores. Não tenho nenhum negócio meu mas sei por amigos (que o têm) e pelo meu próprio patrono que há coisas fundamentais para manter um negócio (e o equilíbrio emocional).

Eu por exemplo, como trabalhadora, necessito de algum apoio e entusiasmo por parte do patrono (e felizmente que o tenho) porque senão desmoralizo-me facilmente. Preciso, de certa forma, de ser guiada. Se tivesse eu o meu próprio negócio? Como seria?

Não estou de modo algum a dizer que não és capaz ou de que és menos profissional. Estou só a fazer-te ver que há várias coisas que te possam estar a influenciar a tua motivação perante a tua carreira. Não mandes tudo às favas antes de perceberes o que pode originar essa sensação. Ao fim ao cabo foram 10 anos de trabalho, hão-de ter algum significado. Wink

Desejo-te a maior sorte para que te encontres e que sigas em frente com aquilo que achares ser o melhor para ti.

Retrato de Mi_Mi
Qua, 02/02/2011 - 17:06
Mi_Mi:
Membro desde: 04.04.2008
Vânia-Lila wrote:

todos acham que estou doida porque foi para isto que "nasci"...porque é a minha cara, porque ninguém me imagina a fazer outra coisa, porque supostamente sou boa naquilo que faço e finalmente porque não andei a desperdiçar 10 anos da minha vida a escolher uma profissão que agora me lembro de não gostar...

Minha querida,

Antes de mais, tu é que és responsável pela tua vida, não os outros. Tu é que tens o poder de te fazeres feliz e realizada e não os outros. Mas percebo PERFEITAMENTE o que dizes em relação a esse medo de desapontar os outros... A minha história tem algumas parecenças com a tua e vou partilhá-la. Tirei uma licenciatura que detestei e, como se não bastasse, fiz também mestrado. No total foi um investimento de 11 anos. Comecei a trabalhar e cheguei à conclusão que isso me fazia muito infeliz. Quando acordava de manhã, só pensava "oh que inferno", "ainda faltam x horas para voltar para casa". Foi uma das épocas mais difíceis da minha vida. Perceber que a profissão que tinha escolhido era a errada. Muito errada.

Um dia comecei a olhar para dentro e a pensar numa tela branca... a minha vida... como eu seria feliz... que profissão...

Percebi que tinha de recomeçar tudo. Um novo curso, completamente diferente, sem garantias de emprego (ao contrário do actual). Organizei a minha vida de maneira a poder trabalhar em algo que eu goste minimamente enquanto volto à universidade. Conto com o apoio do namorido, sem o qual não seria tão possível.

No meio destas "descobertas" o medo de contar "aos outros" era grande... Como ia explicar que ia virar as costas a 11 anos de universidade, a uma profissão com emprego e trocar por uma profissão com as maiores taxas de desemprego em portugal?? Mas no final das contas, daqui a 20 ou 30 anos queremos ter passado uma vida a agradar aos outros ou a nós próprios? Wink

No fundo o que te estou a tentar dizer - este é o meu conselho - é: ouve-te a ti própria! Sente! Imagina o que te faria feliz, pensa nos caminhos, metas que precisarias de percorrer para os atingir e, se possíveis - pés ao caminho! Se tiveres o apoio do teu marido, melhor. Partilha com ele o que sentes Wink
Muita clareza de espírito é o que te desejo Smile

Retrato de xicca
Seg, 11/11/2013 - 12:29
xicca:
Membro desde: 12.09.2013

Vânia, já resolveu esta situação?
Gostava de falar um pouco consigo porque estou a passar por algo muito semelhante, mas não consigo enviar mensagens pelo fórum, por ser nova aqui. Se entretanto ler esta resposta, diga-me "se" ou "como" deu a volta por cima...

Retrato de patríciak8
Dom, 17/11/2013 - 06:24
patríciak8:
Membro desde: 17.11.2013

hey vania, ontem fiz conta neste site e vi o teu post, e sofro de coisas parecidas, as vezes parece que so se interessam pela minha cara "laroca" e que o meu talento é um bocado esquecido e como disseste tambem sofro de piadas na rua, ainda sou estudante mas parece-me que no futuro vou ter o mesmo problema que tu...sou estudante de design e isso, mandeite esta mensagem porque me identifiquei e se quiseres falar Smile
a minha melhor amiga deixou de falar cmg

patricia

Retrato de Graciete Nascimento
Seg, 02/03/2015 - 00:50
Graciete Nascimento:
Membro desde: 01.03.2015

Olá Vânia! Revejo-me também nas tuas palavras e as da Mi-Mi e é o que estou a sentir neste momento.

Fiz uma licenciatura,um estagio, e como se não bastasse um mestrado numa área que afinal vim a descobrir,depois de 7 anos, que não é isso que quero fazer da minha vida. Sinto-me perdida, desmotivada, sem vontade para sair com os amigos, as vezes estou em casa começo a pensar na minha vida e desato a chorar, já pensei em viajar por uns tempos e estar longe de todos sem telemóvel sequer para me recompor/reorganizar emocionalmente, já pensei em ir tentar uma nova vida noutro país, longe de todos aqueles que me podem julgar, não sei mesmo...

Sempre fui o orgulho da minha família, na altura quando terminei o 12º ano queria seguir desporto pk não me identificava com mais nada,sempre gostei de fazer actividades desportivas, gostava de dançar e cozinhar.Mas como meu pai dizia "filha és uma maria rapaz, vai para gestão que dá dinheiro, desporto não tem muitas saídas, vais viver de quê?".E eu fui investigar não havia realmente muito trabalho para esta área e como não queria desapontar meus pais, lá fui eu licenciar-me em gestão. Após disso estagiei 9 meses em contabilidade e não me agradou muito, apesar de ter adorado os colegas e o ambiente no trabalho.Eu ao longo do estágio já dizia para mim mesma, "não me estou a ver a fazer isto o resto da minha vida". No entanto, com a crise despediram pessoal e acabei por não ficar também na empresa. Porém, fui para o fundo de desemprego e acho k foi aí k tudo começou.Lembro-me que assim que fiquei desempregada não sabia o que fazer,havia noites que chorava sozinha no quarto, sobretudo porque já sentia que tinha ido para o curso errado.E nunca comentei isso com ninguém pk eu era o tal orgulho da família e para as minhas amigas um exemplo, sempre fui elogiada e muitas delas voltaram a estudar porque incentivei-as.Bem não sabia o que fazer, decidi começar um mestrado na mesma área, sempre com aquela ideia de que a melhor solução seria gestão e não desporto nem dança.Lá foram mais 2 anos.O primeiro ano foi bom, estava animada nem pensava mais que tinha feito um curso que não tinha nada a ver comigo, o pior foi o 2º ano(2013) quando comecei a fazer a tese que até agora não consigo acabar porque sinto "não me apetece, perdi mais dois anos, não gosto disto, não é isso que eu quero fazer".Já pensei em desistir,mas agora que só me falta a tese!!?

As vezes tento me auto-motivar, ganho forças, penso que sou eu posso mudar isso, saio com amigos, vou para biblioteca e faculdade tentar acabar a tese e começar a minha vida profissional, mas depois tenho uma recaída e cá estou eu de novo a lamentar-me, a chorar e sem vontade de fazer nada.:-/ E o pior é que não consigo partilhar nada com ninguém pk tenho receio das críticas, sobretudo dos meus pais que estão a espera que eu fique mestre para ser uma grande profissional da área.Eu já partilhei com uma ou duas pessoas próximas e as reacções não foram boas, deixara-me mais receosa.

O que gosto mesmo de fazer é Dançar e fazer desporto, são as minhas grandes paixões. Faço parte de um grupo de dança há 5 anos, não tenho formação em dança nem desporto.Estou a pensar fazer workshops de dança e curso de Personal Trainer. Mas será que é só perder tempo? Será que vou conseguir arranjar algo nessa depois nessa área?

Estou em inicio de carreira, já perdi 8 anos nisto, tenho menos de 30, mas não tão nova, sem namorado, sem ninguém supostamente que me vá compreender. O que faço? Acabo já este mestrado e parto para outra licenciatura na área em que gosto? Vão ser mais 3 anos de formação.Ou arrisco trabalhando em contabilidade e fazer da dança/desporto como um hobbie?Mas isso já eu faço e é o que dá mais motivação para deixar a gestão de lado.

O que me deixa mais chateada, é que sempre fui tão decidida, dinâmica, proativa, guerreira como uma das minha amigas me disse e agora encontro-me nesta situação. Sem reacção, sem orgulho de mim mesma, com vontade de deixar tudo e todos e tentar uma nova vida num outro país onde ninguém me conheça.

Fico muito feliz por estar a partilhar isso com pessoas que me compreendem. Pensei que fosse a única a ter este sentimento, mas pelos vistos não.

Espero que me consigam ajudar!!

Beijinhos

Retrato de homemsemsignificado
Seg, 08/06/2015 - 09:37
homemsemsignificado:
Membro desde: 20.03.2012

o.

Retrato de O Pinilha
Dom, 17/02/2019 - 12:23
O Pinilha:
Membro desde: 17.02.2019

Como diz aqui a saraag, deves procurar algo para te fazer conhecer melhor. Existem ferramentas para isso, por exemplo o Coaching. Não é fácil cumprir com algumas ferramentas que o Coaching oferece mas com o tempo a Vania vai conseguindo. Também pode fazer o eneagrama do Eduardo Torgal para ver a sua personalidade ( https://eneacoaching.com/teste-eneagrama) é gratuito, mas se se quiser aprofundar mais acerca disto pode fazer o curso de personalidades que é pago. Atenção não lhe vai resolver os problemas, mas vai pelo menos ajudá-la a ver onde pode chegar e o que pode fazer para lá chegar. Em relação aos sonhos, deram-me uma técnica que resulta, pode resultar mais cedo ou mais tarde na sua vida. Antes de dormir, feche os olhos e imagine-se nesse sonho e nesse sonho imagine-se a fazer algo que gostaria que acontecesse ( por exemplo no seu caso ser gerente de uma quinta, entre outras coisas). Vai ver que em algum momento da sua vida aquilo que imaginou pode acontecer, nem que pareça a coisa mais insignificante. Outra coisa é sobre a abundância, no youtube existem muitas coisas sobre isso.

Cumprimentos
Tudo de bom para si.

Post