Como não viver a vida | A Nossa Vida

Como não viver a vida

Retrato de bernardim
20.08.2018 | 23:18
bernardim:
Membro desde: 20.08.2018

Isto é um desabafo pois ainda preciso de desabafar, espero no futuro não ter mais esta necessidade. Porque desabafo aqui, várias razões que vos posso explicar caso indagarem. Apenas algo: só o fato de saber que hão de ler nem que seja apenas as palavras no assunto, já me dou por satisfeito, sim é uma satisfação estúpida.
Vou tentar ser sucinto e claro, para também desanuviar melhor a minha "cabeça".

-Até aos 8 anos era feliz..a partir daqui tive problemas na escola e seguiram-se infernos nas 7 escolas que frequentei até ao 12ºano. Começaram também os psicólogos, tive poucos durante pouco tempo, o suficiente para saber que não servem para nada a não ser, no meu caso, para piorarem as coisas.

-Sou e vivo atualmente numa aldeia fim-do-mundo (paraíso), mas aos 18 não pensava dessa maneira, ingenuidade.
Quando alguém tem amigos e por aí, é social, quando não os tem, é carente. Escolham o epíteto.
Nunca tive amigos, ou tive mas dum dia para o outro pisgaram-se, ou não eram amigos, ou (caso mais comum) eram amigos mas eu abominava-os. Ou então fugiram do local onde estávamos que era o que devia ter feito.

-Aos 21 anos decidi começar a sair com raparigas e rapazes. A nível sexual, podem escolher o epíteto mas talvez mais "carente". Queria experimentar, queria aventurar-me pois também odeio tudo, não há nenhuma atividade neste mundo que me diga algo, e pelos vistos a sociabilidade também não, infelizmente.
-Quando se está sozinho, enlouquecemos, em Lisboa o meu maior contato era às Sextas em que durante meia hora falava com a minha mãe ao telefone. Desesperava-me durante a semana na faculdade anti-social.
-Quando se está sozinho não se deve estar em muitas atividades que englobam pessoas, a não ser que gostemos ou das atividades ou das pessoas. Grupos, grupinhos ainda mais das cidades.......não! Ficamos a pensar que podemos ir além.
-Sou esquisito?? Não sei, as pessoas que gosto não há maneira de as contatar, vejo-as ao longe, possivelmente até serão piores. Mas uma coisa é arranjar um amigo aos 20, outra é arranjar na infância e perdurar. Sem falar com as relações que englobam sexualidade, enfim a sexualidade pode ser a pior coisa do mundo mas ainda é o único motivo que une gente, nem que seja só uma cama e adeus.

-Tive dois momentos em que em cada um deles uma rapariga dos meus sonhos, digamos seduziu-me! Eu que sou bastante envergonhado não consigo fazer estas coisas..e eu entrei em pânico...
(os medicamentos têm muitos efeitos secundários até os naturais, sem falar dos psiquiátricos, eu quando tiver apenas o psiquiatra como única opção - que obviamente nunca terei por muito que achem que sim - preferirei matar-me)

-As pessoas que comecei a relacionar-me aos 21 não me diziam absolutamente nada, nem fisicamente nem psicologicamente e mesmo assim fui como faço com tudo nesta porcaria de vida: "ai não sabes, tens de experimentar" "não podes ser fechado" "tens de te esforçar para gostares das coisas" "és é preguiçoso"
sim usei o corpo banalmente (atenção não cobrei nem paguei nada, era o mais que faltava!!) mas também uso e abuso da alma banalmente para em 6 anos acabar a merda dum curso de 3 anos, fiz tanta atividade que odeio..
-Pois aos 8 comecei a desistir de tudo o que fazia incluindo a minha grande paixão, que nunca mais consegui retomar, sobra a frustração.

-Esta desabafo está-se a tornar gigante, e não disse nem 5%, vou ser ainda mais sucinto para acabar: aos 23 tive a minha última e maior e trágica relação. Foi desta vez com o rapaz mais fixe deste mundo que pela primeira vez mesmo tendo sido eu a mandá-lo embora, respondeu-me às mensagens. Quem é que hoje responde às mensagens? Eu tão ingénuo nunca pensei que se estivesse com alguém só a dizer "olá e bla bla" uns dias, passado uns tempos sem nos vermos já me ignora?
Ter amigos que ao verem-me na Praça da Figueira tapam-se para eu não os ver. Ter gente a fugir de mim?

Saudades dos tempos escolares em que me batiam e merdas assim (também muitos sofreram por mim), ao menos ligavam-me!! Dizem que não são tolerantes, a tolerância não se aplica a gente que se caga para os outros. Nas cidades é assim, é tudo muito tolerante pois todos cagam-se uns p'rós outros, assim também sou o chefe da tolerância. Ainda mais quando não se gosta das pessoas, a solidão sabe tão bem.....mas a solidão à força...

E pensar, viver, imaginar que se gosta de alguém quando não se gosta? Não é o inconsciente que anda ali negativo, é porque realmente não gostamos, mas por estarmos sozinhos temos que nos dar com quem não gostamos. E agora, será frustrante? Queremos também aqui a solidão, mas neste caso será uma solidão desejada frustrante.

E não me venham com videozinhos de gente amputada e por aí tudo muito feliz ou faz aquilo e aqueloutro. É uma estupidez eu ser social, mais vale apenas aproveitar o outro como escravo: consumir, ter coisas à custa dele só porque se considera que dando umas notinhas pois trabalhámos muito, merece-se tudo do outro, sempre em troca das tais notinhas.

Também desabafo pois acabei de vir de um tratamento abominável que me cansou ainda mais. Felizmente já não estou em Lisboa: quer isto dizer que já não me irrito, ou não me deprimo com tanta facilidade.

E como não espero respostas (isto não é numa de "ai ai vou dizer que não quero respostas para me responderem, pois o proibido é apetecido"), espero que aprendam com este otário que sou e todas essas caraterísticas do tipo "doente" como agora se diz muito e por aí, para se entusiasmarem o quão estais tão bem na vida. Já me sinto menos social!!


Retrato de Ana M. Mar
Seg, 20/08/2018 - 23:44
Ana M. Mar:
Membro desde: 03.06.2016

Olá bernardim. Parece-me que te sentes muito sozinho mas que, ao mesmo tempo, abominas pessoas. Ser introvertido é muito mais comum do que pensas e não precisas de um grupo enorme de amigos para seres feliz ou te sentires realizado na vida.
Acho que deves identificar as coisas que te dão mais gozo fazer (caminhadas, natação, xadrez, sair à noite, etc) e a partir daí envolveres-te um pouco nessas comunidades.
Lembra-te que não estás sozinho e que procurar ajuda de um psicólogo nem que seja para desabafar não é nenhum escândalo!

Post