Astenia Cutânea em Gato | A Nossa Vida

Astenia Cutânea em Gato

Retrato de beatriziga
04.09.2019 | 11:42
beatriziga:
Membro desde: 04.09.2019

Bom dia.
Venho contar a minha experiência relativamente à astenia cutânea, assim como tentar recolher alguns conselhos da vossa parte.
Começando pelo início, para quem não sabe, a astenia cutânea é uma doença genética, rara e incurável.
Ora bem, trata-se de uma doença de pele, em que os principais "sintomas" são a pele muito elástica e fininha.
Consequências da doença: Feridas enormes dadas ao facto de a pele ser muito sensível e os gatos terem unhas afiadas e, instintivamente se coçarem.
Remonto a novembro de 2018 quando decido adotar um gatinho. Era de uma colónia. Fez o check up no veterinário, FIV e FELV negativo. Alguns ácaros mas tudo bem, nada que não de tratrasse com Orydemil.
Nas primeiras semanas era um gatinho completamente normal, até que apareceu a primeira ferida, numa orelha.
Fomos ao veterinário, tratamos da ferida, e sarou. Tudo de volta ao normal.
Após esta foram aparecendo outras feridas mas iam sempre sarando rapidamente e não eram muito grandes. Mas tudo isto nos deixava intrigados, pois já tínhamos tido outros gatos mas nunca tínhamos tido nenhum que estivesse sempre a abrir feridas.
Chegou a altura de tomar as vacinas e lá fomos vacinar a bolinha de pelo.
Ao chegar a casa, passado algum tempo, olhámos para ele e tinha um buraco enorme no sitio onde lhe tinha sido administrada a vacina. Pânico geral!! Primeiro pensamento: " Deve ter feito uma reação alérgica."
Ligamos à veterinária, eram já 9h da noite, e ela lá fomos para o consultório para ver o que seria. Conclusão: tinha de levar pontos! Pânico Geral novamente...
Foi sedado, suturado e aproveitaram para o castrar.
Quando o fomos buscar, a veterinária que realizou a sutura e a esterilização, e após muita pesquisa (porque era o primeiro caso de um gato assim), tinha um diagnóstico para nós: Astenia Cutânea.
Desde aí que a vida do nosso gato tem sido passada a tomar antibióticos praticamente todo os meses para conseguir sarar feridas, e a usar colar isabelino constantemente.
Já experimentamos de tudo! Desde capas de silicone nas unhas para não abrir feridas quando se coça (A cola é super agressiva! Não aconselho mesmo nada!), a roupas de cão para andar protegido (mas depois como tinha feridas por baixo infetavam imenso por estarem tapadas), mil e uma outras coisas para atenuar o problema.
Por isso vinha pedir-vos que caso tenham alguma "solução" ou algum tipo de experiência com esta doença, me possam transmitir alguns conhecimentos, porque sinceramente já estamos a ficar desesperados.
Inclusive já está a criar imunidade aos antibióticos.

Deixo uma fotografia atual do estado em que está o meu pequeno.