Assédio no Emprego | A Nossa Vida

Assédio no Emprego

Retrato de Angustiada
19.09.2012 | 20:06
Angustiada:
Membro desde: 19.09.2012

Boa tarde. Venho partilhar um pouco da minha angústia e pedir opiniões sobre a situação em que me encontro.

Arranjei há 3 meses um emprego num escritório de advogados, com um contrato a prazo de 5 meses cuja renovação depende "naturalmente" da boa vontade do sócio maioritário. De há 2 meses para cá, essa pessoa anda a infernizar a minha vida.
Primeiro convidou-me para sair, facto que recusei por ele ser casado e ter filhos. Depois começou a ameaçar que a empresa não me renovaria contrato, se eu não lhe permitisse umas "carícias" em segredo. Achei a proposta nojenta mas acabei por ceder... A chantagem foi subindo de proporções e eu, apavorada pelo desemprego no qual estive 2 anos, acabei por consentir relações sexuais. Recorri pela 1ª vez ao Centro de Saúde para tomar a pílula do dia seguinte e pensei em iniciar um contraceptivo oral, mas a médica disse-me que só ao fim de 1 mês poderia ter contacto vaginal com esperma (o que infelizmente não seria provável...). Pedi análises para despiste de doenças - HIV, HSV, HBV, gonorreia, tracoma e sífilis - ainda aguardo resultados.
Como seria de esperar, o assédio continuou, com actos cada vez mais repugnantes: já fui coagida para lhe fazer sexo oral depois de me ter feito sexo anal sem preservativo... Horrível! O pior é mesmo quando ele ejacula dentro de mim. Mas angústia de contrair doenças ou engravidar não se sobrepõe ao medo do desemprego! Sobretudo porque não tenho provas de assédio nem tenho dinheiro para pagar um advogado que o possa enfrentar...
Há 15 dias, procurei outro Centro de Saúde para tomar a pílula do dia seguinte - não posso ir sempre ao mesmo... E há 6 dias fui directamente a uma farmácia! Isto torna-se cada vez mais perigoso para a minha saúde.

Gostava de opiniões e sugestões para sair do beco em que me encontro. Sinto-me suja como uma prostituta, e acho que mereço algo mais digno. Que faço? Rescindo contrato e formalizo queixa na polícia? Inicio uma pílula convencional e faço testes periódicos de doenças sexuais? Os meus amigos mal me podem ajudar. Estou tão confusa...


Retrato de danielafcarvalho
Qua, 19/09/2012 - 20:22
danielafcarvalho:
Membro desde: 23.04.2012

Mas porque é que tu te sujeitas a isso? Não compreendo para além de ser um risco para a tua saúde física e psicológica. A primeira vez que cedes-te foi o teu mal, cada vez vai ser pior e pior... Porque não deixas de ir trabalhar e tentar arranjar alguma coisa? Tens filhos?

Retrato de lover93
Qua, 19/09/2012 - 20:27
lover93:
Membro desde: 13.03.2012

Nojento mesmo Worried

Não te sujeites a isso, isso tem consequências graves, mesmo a nível psicológico. Prefere 1000 vezes o desemprego do que ter trabalho em troca de favores.
Quanto a fazeres queixa não se dá em alguma coisa, mas sempre podes ir falar com a polícia para saberes se te podem ajudar ou não!
Espero que isso acabe em breve.

Retrato de sonia isabel c. r.
Qua, 19/09/2012 - 20:29
sonia isabel c. r.:
Membro desde: 08.01.2010
Angustiada wrote:

Boa tarde. Venho partilhar um pouco da minha angústia e pedir opiniões sobre a situação em que me encontro.

Arranjei há 3 meses um emprego num escritório de advogados, com um contrato a prazo de 5 meses cuja renovação depende "naturalmente" da boa vontade do sócio maioritário. De há 2 meses para cá, essa pessoa anda a infernizar a minha vida.
Primeiro convidou-me para sair, facto que recusei por ele ser casado e ter filhos. Depois começou a ameaçar que a empresa não me renovaria contrato, se eu não lhe permitisse umas "carícias" em segredo. Achei a proposta nojenta mas acabei por ceder... A chantagem foi subindo de proporções e eu, apavorada pelo desemprego no qual estive 2 anos, acabei por consentir relações sexuais. Recorri pela 1ª vez ao Centro de Saúde para tomar a pílula do dia seguinte e pensei em iniciar um contraceptivo oral, mas a médica disse-me que só ao fim de 1 mês poderia ter contacto vaginal com esperma (o que infelizmente não seria provável...). Pedi análises para despiste de doenças - HIV, HSV, HBV, gonorreia, tracoma e sífilis - ainda aguardo resultados.
Como seria de esperar, o assédio continuou, com actos cada vez mais repugnantes: já fui coagida para lhe fazer sexo oral depois de me ter feito sexo anal sem preservativo... Horrível! O pior é mesmo quando ele ejacula dentro de mim. Mas angústia de contrair doenças ou engravidar não se sobrepõe ao medo do desemprego! Sobretudo porque não tenho provas de assédio nem tenho dinheiro para pagar um advogado que o possa enfrentar...
Há 15 dias, procurei outro Centro de Saúde para tomar a pílula do dia seguinte - não posso ir sempre ao mesmo... E há 6 dias fui directamente a uma farmácia! Isto torna-se cada vez mais perigoso para a minha saúde.

Gostava de opiniões e sugestões para sair do beco em que me encontro. Sinto-me suja como uma prostituta, e acho que mereço algo mais digno. Que faço? Rescindo contrato e formalizo queixa na polícia? Inicio uma pílula convencional e faço testes periódicos de doenças sexuais? Os meus amigos mal me podem ajudar. Estou tão confusa...

é uma situação tão delicada que de minha parte não sei bem como comentar ou ajudar alguma coisa...mas sinceramente não entendo como pode ter medo de ficar desempregada (e livre de perigos) e preferir andar nessa corda bamba...

falando como pessoa desempregada nunca mas nunca teria permitido por a minha saude e futuro em risco por miseros meses sem ter certeza que iria ficar lá e vendo que nunca iria parar de ser assediada?de que lhe vale ficar lá se pode contrair uma doença grave p'ra vida ou após todas essas tomas de pilula dia seguinte correr risco de piores perigos e infertilidade?porque realmente não sabia que depois de comecar não ia parar?

peço desculpa se estou a ser bruta porque nunca vivi tal cenário mas não entendo qual a razao para ficar lá...empregos há muitos e eu oreferia passar vergonha de ficar desempregada e ouvir comentarios maldosos a arriscar a minha vida, a minha sanidade mental e a minha dignidade...
o meu conselho vale o que vale mas dou o e é obvio. sair de lá a correr...se puder apresentar queixa apresente quer dê resultado ou não é o minimo que deve fazer. se o fez consigo as tantas se der uma pesquisa é capaz de encontrar alguem que possa ter sofrido o mesmo em silencio ou alguem do escritorio que saiba o caracter do chefe. obviamente que e quase um caso perdido. mas apos tudo isso é o minimo. eu nao conseguiria dormir apos o que passou. mas nunca na vida me passaria pela cabeca ter la ficado apos a primeira humilhação.o dinheiro nao vale uma vida

'Os fracos vingam-se ,os fortes perdoam e os superiores ignoram.'

Retrato de Mary1608
Qua, 19/09/2012 - 20:32
Mary1608:
Membro desde: 15.04.2012

Olá!
O primeiro erro foi teres cedido à chantagem. Sinceramente, apesar de teres estado desempregada dois anos, acho que nada justifica deixar que nos tratem dessa forma.

Não te quero julgar, mas também devias ter posto um travão a isso, pois como referiste, já tiveram várias vezes relações.
Tomar a pílula do dia seguinte várias vezes, é um risco demasiado grande.

Quer seja da tua vontade ou não, tens mantido relações com esse homem, que pelos vistos não usa preservativo contigo. Porque não tomas então a pílula? Pelo menos, apesar de não prevenir doenças, evita uma possível gravidez e não tinhas de recorrer à pilula do dia seguinte...

Não sei se vais conseguir provar que ele te 'obrigou' , até porque já aconteceu por diversas vezes. Ele pode alegar que tu é que te insinuaste a ele. Ou que fizeram sexo consentido...
O que quero dizer, é que vai ser difícil provar que não o fizeste de livre vontade.

Sinceramente, acho que devias sair desse emprego. Não há dinheiro no mundo que justifique passar pelo que tens estado a passar.

Retrato de Patricia S R
Qua, 19/09/2012 - 20:51
Patricia S R:
Membro desde: 17.07.2012

Desculpa se te vou ofender mas vou apenas comentar friamente, de acordo com o relato que fizeste.
Li as ultimas frases da diagonal porque a descrição começou a enojar-me seriamente. Em todos os sentidos. Por ele, por ti e pela situação.
Consegues dormir à noite? Desculpa, mas para mim na primeira abordagem pela parte dele tinha-o mandado f**** mas com todas as letras e na cara dele. Isto se não lhe tivesse pregado um valente estaladão. E era mulher para isso. Por muito menos (uma falta de respeito "não sexual") fiz frente ao meu chefe e tiveram que me segurar. Já foi há 7 anos e continuo lá.
Não acho que o medo do desemprego seja uma desculpa para o que consentiste em fazer. Sim, porque consentiste. Achaste e achas que o que ele te faz é melhor do que ficares desempregada. é melhor do que apanhares uma doença qualquer.
Se estás assim tão desesperada não sei o que esperas que te digam. Despede-te.
Vai-te embora.
Na minha opinião não há mais nenhuma alternativa.
Aproveita e à saida, se estás assim tão zangada com ele, fura-lhe os 4 pneus.
De resto não sei o que mais te diga. Para mim a minha sanidade mental e saude estão em primeiro lugar.

Retrato de Caleidoscópio
Qua, 19/09/2012 - 20:55
Caleidoscópio:
Membro desde: 21.07.2010

Eu compreendo o teu medo de ficar desempregada. Mas penso que ainda não pensas-te numa coisa fulcral: imagina que ele te renova o contrato. As coisas, obviamente, não vão mudar. É essa vida que queres ter daqui para a frente? Queres mesmo ficar num emprego assim? É que se olhares por este prisma, talvez a perspectiva de perder o emprego não seja um problema...

Força

O blog dos livros usados - http://asaladoslivros.blogspot.pt/

Retrato de cb5
Qua, 19/09/2012 - 20:58
cb5:
Membro desde: 17.05.2010
Angustiada wrote:

Boa tarde. Venho partilhar um pouco da minha angústia e pedir opiniões sobre a situação em que me encontro.

Arranjei há 3 meses um emprego num escritório de advogados, com um contrato a prazo de 5 meses cuja renovação depende "naturalmente" da boa vontade do sócio maioritário. De há 2 meses para cá, essa pessoa anda a infernizar a minha vida.
Primeiro convidou-me para sair, facto que recusei por ele ser casado e ter filhos. Depois começou a ameaçar que a empresa não me renovaria contrato, se eu não lhe permitisse umas "carícias" em segredo. Achei a proposta nojenta mas acabei por ceder... A chantagem foi subindo de proporções e eu, apavorada pelo desemprego no qual estive 2 anos, acabei por consentir relações sexuais. Recorri pela 1ª vez ao Centro de Saúde para tomar a pílula do dia seguinte e pensei em iniciar um contraceptivo oral, mas a médica disse-me que só ao fim de 1 mês poderia ter contacto vaginal com esperma (o que infelizmente não seria provável...). Pedi análises para despiste de doenças - HIV, HSV, HBV, gonorreia, tracoma e sífilis - ainda aguardo resultados.
Como seria de esperar, o assédio continuou, com actos cada vez mais repugnantes: já fui coagida para lhe fazer sexo oral depois de me ter feito sexo anal sem preservativo... Horrível! O pior é mesmo quando ele ejacula dentro de mim. Mas angústia de contrair doenças ou engravidar não se sobrepõe ao medo do desemprego! Sobretudo porque não tenho provas de assédio nem tenho dinheiro para pagar um advogado que o possa enfrentar...
Há 15 dias, procurei outro Centro de Saúde para tomar a pílula do dia seguinte - não posso ir sempre ao mesmo... E há 6 dias fui directamente a uma farmácia! Isto torna-se cada vez mais perigoso para a minha saúde.

Gostava de opiniões e sugestões para sair do beco em que me encontro. Sinto-me suja como uma prostituta, e acho que mereço algo mais digno. Que faço? Rescindo contrato e formalizo queixa na polícia? Inicio uma pílula convencional e faço testes periódicos de doenças sexuais? Os meus amigos mal me podem ajudar. Estou tão confusa...

:o

Eu estou estupefacta!:o

Como é que tu colocas a hipótese de começar a tomar uma pílula normal para continuar nesta situação?!:o
Eu já teria saltado fora há muito...Melhor dizendo, não me teria sujeitado a isso!
Eu preferia estar no desemprego a sujeitar-me a essa situação...

Retrato de Soponipiapa
Qua, 19/09/2012 - 21:02
Soponipiapa:
Membro desde: 26.03.2012

Isso é violação, não basta despedires-te, tens de denuncia-lo! É um dever que tens!

Retrato de Patricia S R
Qua, 19/09/2012 - 21:14
Patricia S R:
Membro desde: 17.07.2012
Soponipiapa wrote:

Isso é violação, não basta despedires-te, tens de denuncia-lo! É um dever que tens!

Não te esqueças que ela consentiu. ele fez uma abordagem e ela aceitou. Será que ele tem noção de desespero dela? Será que ela deu a entender claramente que o fazia forçada pelas circunstancias?
Ela tinha opções. Nunca mais lá pôr os pés. No entanto aceitou os avanços.
Entendo o desespero que pode ser. Não aceito a escolha, mas entendo. Moral, etica e socialmente é condenável ao mais alto nível a atitude dele, que aproveitou-se de uma posição superior para fazer valer as suas vontades.
Mas mais uma vez eu digo. Ela tinha outras opções.
É o que eu penso. Mas graças a Deus nunca passei por isso...

Retrato de Rochita
Qua, 19/09/2012 - 21:20
Rochita:
Membro desde: 17.12.2011

:o :o :o

Já imaginas te uma vida assim por causa de um emprego??

Já pensas te que ele está a trair a mulher contigo e a faltar ao respeito aos filhos???

desculpa ser fria mas sai desse emprego, tenta arranjar outro isso não é vida para ti nem para ningeum!! Força, arranja maneira de sair tu vais ver que vai ser o melhor passo que vais dar na tua vida..

Além disso a tua saúde está a ficar em perigo, pensa e ti primeiro!!

Manda o ir dar uma volta!!!

Retrato de NVanessa
Qua, 19/09/2012 - 21:46
NVanessa:
Membro desde: 27.02.2010
El_Lobo wrote:

Eu vejo uma brecha legal para o caso...

Qual?

Retrato de Soponipiapa
Qua, 19/09/2012 - 21:52
Soponipiapa:
Membro desde: 26.03.2012
El_Lobo wrote:
NVanessa wrote:
El_Lobo wrote:

Eu vejo uma brecha legal para o caso...

Qual?

No nº 2 do artigo 163º do Código Penal. ;)

Chuta!

Vocês lembram-se do caso Tomás Taveira? O tipo nunca foi acusado de nada pois não?

Retrato de NVanessa
Qua, 19/09/2012 - 21:54
NVanessa:
Membro desde: 27.02.2010
El_Lobo wrote:
NVanessa wrote:
El_Lobo wrote:

Eu vejo uma brecha legal para o caso...

Qual?

No nº 2 do artigo 163º do Código Penal. ;)

Obrigas uma pessoa a ir procurar quando já podias ter posto. Grin

Artigo 163.º - Coacção sexual

1 - Quem, por meio de violência, ameaça grave, ou depois de, para esse fim, a ter tornado inconsciente ou posto na impossibilidade de resistir, constranger outra pessoa a sofrer ou a praticar, consigo ou com outrem, acto sexual de relevo é punido com pena de prisão de um a oito anos.
2 - Quem, por meio não compreendido no número anterior e abusando de autoridade resultante de uma relação familiar, de tutela ou curatela, ou de dependência hierárquica, económica ou de trabalho, ou aproveitando-se de temor que causou, constranger outra pessoa a sofrer ou a praticar acto sexual de relevo, consigo ou com outrem, é punido com pena de prisão até dois anos.

Fonte: Almedina.net

Mas e como é que ela se mete nisso? Faz queixa na polícia? Assim perde o emprego que é o que ela tem estado a evitar, daí estar nesta embrulhada toda...

COntinuo a dizer que eu cá fazia chantagem..

Retrato de danielafcarvalho
Qua, 19/09/2012 - 21:56
danielafcarvalho:
Membro desde: 23.04.2012
Soponipiapa wrote:

Isso é violação, não basta despedires-te, tens de denuncia-lo! É um dever que tens!

Não sei se ela conseguirá provar que foi violada, como já disseram ela consentiu outras tantas vezes que aconteceu, mesmo que filme o vídeo podem dizer que foi consentido, o que o quer difamar ou sei lá o que, por isso não me parece opção. À 1ª vez que ela consentiu, o que aconteceu alguma coisa ela deveria ter feito queixa, ou ter saído do emprego agora depois de tantas vezes e ainda ponderá tomar a pílula, desculpem, mas na minha opinião parece que quer continuar.
E quanto ao fazer chantagem, se fosse por aí só mostra tão mau carácter como ele.

Retrato de NVanessa
Qua, 19/09/2012 - 21:57
NVanessa:
Membro desde: 27.02.2010
Soponipiapa wrote:
El_Lobo wrote:
NVanessa wrote:
El_Lobo wrote:

Eu vejo uma brecha legal para o caso...

Qual?

No nº 2 do artigo 163º do Código Penal. ;)

Chuta!

Vocês lembram-se do caso Tomás Taveira? O tipo nunca foi acusado de nada pois não?

"Devido a este escândalo e consequente publicidade negativa, Taveira enfrentou adversidades tanto no campo pessoal como no profissional até ao final da década de 1990."

Fonte: Wikipédia LOL Grin

Pelos vistos isso ficou no esquecimento, mas só depois de 1990....

Retrato de danielafcarvalho
Qua, 19/09/2012 - 22:00
danielafcarvalho:
Membro desde: 23.04.2012

No tribunal é preciso provas, e não me parece que ela as tenha, infelizmente! Além disso, ele deve ser advogado por isso deve saber contornar a lei.

Retrato de Soponipiapa
Qua, 19/09/2012 - 22:02
Soponipiapa:
Membro desde: 26.03.2012

Claro que falar é fácil, mas bolas, mesmo sem ter passado por isso, manter o emprego à custa dessa nojice?

Manter o emprego já nem está em questão, em questão está denuncia-lo, ou expo-lo ao mundo! Fazê-lo pagar por chantageá-la da maneira mais nojenta que existe.

Se é só para continuar a passar por isso de uma maneira mais fácil, este tópico não faz sentido para mim. Fui.

Retrato de NVanessa
Qua, 19/09/2012 - 22:02
NVanessa:
Membro desde: 27.02.2010
El_Lobo wrote:

Trata-se de crime de coacção sexual, só que não se enquadra no n º1 do artigo 163, porque o nº 1 exige violência, ameaça grave, tornar inconsciente - ex. "date rape drug" - ou posto na impossibilidade de resistir para coagir alguém a praticar acto sexual de relevo.
No entanto o nº 2 aplica-se aos casos, não de violência nem de ameaça grave para coagir alguém a praticar acto sexual de relevo, mas através de abuso de "autoridade resultante de uma relação familiar, de tutela ou curatela, ou de dependência hierárquica, económica ou de TRABALHO, ou APROVEITANDO-SE DE TEMOR QUE CAUSOU..." - este temor, não meramente reverencial e sendo um conceito indeterminado pode contemplar os casos de receio de perda de emprego...

Sim, o nº 2 aplica-se por causa da questão da hierarquia e tal mas o problema é como ela prova isso.

E ainda por cima um advogado que vai arranjar sempre maneira de se safar.

A lei é justa e prevê as situações mas infelizmente não é para todos, meu amigo. E és ingénuo se pensas o contrário.

Retrato de Anita_C
Qua, 19/09/2012 - 22:11
Anita_C:
Membro desde: 18.07.2012

... resta saber em que condicoes tu vives ( se es casada, tens filhos, situacao economica, a tua idade), para te estares a sujeitar a esta situacao.
Ja devias ter comecado a procurar outro emprego ate este primeiro contrato acabar, ou pelo menos informares-te na policia.
Os teus amigos nao te deram nenhum incentivo para saires desse emprego?

Retrato de Soponipiapa
Qua, 19/09/2012 - 22:13
Soponipiapa:
Membro desde: 26.03.2012

Na empresa onde trabalho (mas antes de eu trabalhar lá), um homem andava a assediar uma rapariga, ela mostrou os sms's aos recursos humanos e ele foi posto na rua! E mais, não foi no segredo dos deuses, veio tudo a publico, mesmo para o lixar!

Retrato de NVanessa
Qua, 19/09/2012 - 22:19
NVanessa:
Membro desde: 27.02.2010
El_Lobo wrote:
NVanessa wrote:

Sim, o nº 2 aplica-se por causa da questão da hierarquia e tal mas o problema é como ela prova isso.

E ainda por cima um advogado que vai arranjar sempre maneira de se safar.

A lei é justa e prevê as situações mas infelizmente não é para todos, meu amigo. E és ingénuo se pensas o contrário.

A lei é igual para todos seja advogado ou juiz e nem sempre os advogados se safam como vês na televisão. Está certo e é sabido que infelizmente a lei, em Portugal, a maioria das vezes só serve até determinado patamar, mas nem sempre é assim e muitas vezes é graças a ideia do senso comum de que não vale a pena lutarmos pelos nossos direitos porque é advogado ou presidente da Câmara e nunca vai preso nem vai pagar pela m*rda que fez, que muita gente se aproveita para pisar os direitos dos outros e sai impune.

Por último, no âmbito do Processo Penal, há vários tipos de prova, sendo que a pericial e a testemunhal assumem extrema importância.
Deixo-te aqui um acórdão para leres e ver como os casos de coação sexual chegam aos tribunais e as pessoas são condenadas.

http://www.dgsi.pt/jtre.nsf/c3fb530030ea1c61802568d9005cd5bb/ce1af3a0589...

Enquanto vou ler o acórdão, quero só que saibas que a lei foi FEITA para todos e ninguém está livre da lei ser aplicada na prática.

O problema é o "enquanto dura o processo". Enquanto dura o processo (para já, passam-se anos), gastam-se rios de dinheiro em advogados para defender a pessoa, se não tiver dinheiro, há sempre as oficiosas mas nunca (pronto, vou dizer raramente) são tratadas como se o cliente estivesse a pagar. Depois há a questão das provas e dos falsos testemunhos que o criminoso vai levantar. Depois as testemunhas que ele vai arranjar para lá irem testemunhar como ele é um excelente pai de família, advogado há imensos anos e que "nunca revelou comportamentos como os que a vítima relata". E a triste da rapariga, que não tem mais nada a não ser a palavra dela, ainda vai ver a vida dela virada do avesso, o seu passado, se andou com este ou com aquele, o porquê de se sujeitar a isso... E todos vão achar que ela é que fez isto para subir na carreia ou se manter no emprego.

Continuo a achar que és ingénuo. E não vejo assim tanta televisão como pensas.

Até já, espera-me uma leitura.

Retrato de Soponipiapa
Qua, 19/09/2012 - 22:20
Soponipiapa:
Membro desde: 26.03.2012
El_Lobo wrote:
Soponipiapa wrote:

Claro que falar é fácil, mas bolas, mesmo sem ter passado por isso, manter o emprego à custa dessa nojice?

Mas estás chocada? Este caso não é inédito e sei de colegas que se sujeitam a este tipo de "favores" para conseguirem estágios remunerados - porque a quase totalidade dos estágios na OA não são pagos - e muitas não devem achar tão nojento quanto isso porque até gostam dos luxos que os patronos lhes oferecem...

Estou. Porque se fosse uma situação do género da que dizes ela não vinha abrir este tópico, estava caladinha na sua vergonha em privado, parece-me que aqui é mesmo chantagem e eu continuo a achar que é violação, não a típica, mas é! Assim como é violação os maridos que obrigam as mulheres a fazer sexo quando elas não querem!

Retrato de danielafcarvalho
Qua, 19/09/2012 - 22:20
danielafcarvalho:
Membro desde: 23.04.2012
Anita_C wrote:

... resta saber em que condicoes tu vives ( se es casada, tens filhos, situacao economica, a tua idade), para te estares a sujeitar a esta situacao.
Ja devias ter comecado a procurar outro emprego ate este primeiro contrato acabar, ou pelo menos informares-te na policia.
Os teus amigos nao te deram nenhum incentivo para saires desse emprego?

Por isso é que eu pgt tb se tinha filhos.

Retrato de cb5
Qua, 19/09/2012 - 22:22
cb5:
Membro desde: 17.05.2010
El_Lobo wrote:
Soponipiapa wrote:

Claro que falar é fácil, mas bolas, mesmo sem ter passado por isso, manter o emprego à custa dessa nojice?

Mas estás chocada? Este caso não é inédito e sei de colegas que se sujeitam a este tipo de "favores" para conseguirem estágios remunerados - porque a quase totalidade dos estágios na OA não são pagos - e muitas não devem achar tão nojento quanto isso porque até gostam dos luxos que os patronos lhes oferecem...

O que me choca não é a parte do assédio nem dos favores...É mesmo o facto de ela ponderar continuar com isto, tomar repetidamente a pílula do dia seguinte, ter comportamentos de risco!:o

Como é que ainda questiona a hipótese de apenas começar a tomar a pílula?:o Não compreendo!

E já agora gostava de saber a opinião da autora ao que tem sido aqui falado..;)

Retrato de danielafcarvalho
Qua, 19/09/2012 - 22:26
danielafcarvalho:
Membro desde: 23.04.2012
Soponipiapa wrote:
El_Lobo wrote:
Soponipiapa wrote:

Claro que falar é fácil, mas bolas, mesmo sem ter passado por isso, manter o emprego à custa dessa nojice?

Mas estás chocada? Este caso não é inédito e sei de colegas que se sujeitam a este tipo de "favores" para conseguirem estágios remunerados - porque a quase totalidade dos estágios na OA não são pagos - e muitas não devem achar tão nojento quanto isso porque até gostam dos luxos que os patronos lhes oferecem...

Estou. Porque se fosse uma situação do género da que dizes ela não vinha abrir este tópico, estava caladinha na sua vergonha em privado, parece-me que aqui é mesmo chantagem e eu continuo a achar que é violação, não a típica, mas é! Assim como é violação os maridos que obrigam as mulheres a fazer sexo quando elas não querem!

Soponipiapa, se reparares no que a autora do tópico escreveu, ela disse que recusou sair com ele, porque era casado e tinha filhos e não propriamente por não quer, espero não estar enganada. E depois diz que cedeu ao primeiro assédio, não me parece que seja violação. Quando cedeu uma vez, fez uma excepção, a partir daí vai haver mais exigências e a situação piora,e ainda não é um emprego fixo.

Retrato de alaup
Qua, 19/09/2012 - 22:29
alaup:
Membro desde: 18.12.2011

Confusa? Bem.... Ao ler o tópico pela segunda vez, pareceu-me q a autora está "apenas" meramente confusa com toda esta situação, eu estou chocada!

Prefere engravidar ou mesmo contrair uma doença a ficar novamente desmpregada? As doenças ou um filho (resultantes de uma possível gravidez) são para toda a vida! Esse emprego, pelo que disse, é apenas para 5 meses! Ou acha que o "tal" lhe vai renovar o contrato em troca desses favores sexuais? ~Creio que não, parece-me que a ideia do "tal" é aproveitar-se de si estes 5 meses e depois mandá-la embora!

Ainda, o problema aqui não me parece que seja meramente o facto de estar a ser cogida sexualmente, mas sim, não lhe agradar algumas taras sexuais do dito cujo e ainda, o facto de não estar a tomar a pilula.

Espero não a ter ofendido.

Retrato de cb5
Qua, 19/09/2012 - 22:32
cb5:
Membro desde: 17.05.2010
El_Lobo wrote:
cb5 wrote:
El_Lobo wrote:
Soponipiapa wrote:

Claro que falar é fácil, mas bolas, mesmo sem ter passado por isso, manter o emprego à custa dessa nojice?

Mas estás chocada? Este caso não é inédito e sei de colegas que se sujeitam a este tipo de "favores" para conseguirem estágios remunerados - porque a quase totalidade dos estágios na OA não são pagos - e muitas não devem achar tão nojento quanto isso porque até gostam dos luxos que os patronos lhes oferecem...

O que me choca não é a parte do assédio nem dos favores...É mesmo o facto de ela ponderar continuar com isto, tomar repetidamente a pílula do dia seguinte, ter comportamentos de risco!:o

Como é que ainda questiona a hipótese de apenas começar a tomar a pílula?:o Não compreendo!

E já agora gostava de saber a opinião da autora ao que tem sido aqui falado..;)

Será que lhe causa assim tanta repulsa quanto isso? Mesmo sabendo ela que ele é casado e tem filhos? :?

Era o que eu gostava que me esclarecessem...;)
Mas eu preferia sujeitar-me a passar dificuldades do que estar numa situação assim!

Retrato de Soponipiapa
Qua, 19/09/2012 - 22:34
Soponipiapa:
Membro desde: 26.03.2012

Então ok. Partindo da hipótese que existe consentimento.

O que ela deve fazer agora é dizer NÃO. E ver como ele reage a partir daqui. Ela deve reunir provas para não ir para a rua e ele impune!

Angustiada: diz não a partir de agora!!! E vê a reacção dele, filmar ou grava o que ele te diz!!! Faz-lhe a cerca! Eu sei que parece coisa de filmes, mas eu conheço um caso muito próximo que fez uma coisa parecida, mas noutra situação, e apanhou a pessoa!

Retrato de NVanessa
Qua, 19/09/2012 - 22:40
NVanessa:
Membro desde: 27.02.2010
El_Lobo wrote:
NVanessa wrote:

Enquanto vou ler o acórdão, quero só que saibas que a lei foi FEITA para todos e ninguém está livre da lei ser aplicada na prática.

O problema é o "enquanto dura o processo". Enquanto dura o processo (para já, passam-se anos), gastam-se rios de dinheiro em advogados para defender a pessoa, se não tiver dinheiro, há sempre as oficiosas mas nunca (pronto, vou dizer raramente) são tratadas como se o cliente estivesse a pagar. Depois há a questão das provas e dos falsos testemunhos que o criminoso vai levantar. Depois as testemunhas que ele vai arranjar para lá irem testemunhar como ele é um excelente pai de família, advogado há imensos anos e que "nunca revelou comportamentos como os que a vítima relata". E a triste da rapariga, que não tem mais nada a não ser a palavra dela, ainda vai ver a vida dela virada do avesso, o seu passado, se andou com este ou com aquele, o porquê de se sujeitar a isso... E todos vão achar que ela é que fez isto para subir na carreia ou se manter no emprego.

Continuo a achar que és ingénuo. E não vejo assim tanta televisão como pensas.

Até já, espera-me uma leitura.

Eu ingénuo? Mas queres-me ensinar Direito a mim? Ensinar Direito a um advogado? Esta é boa! Tu é que és ingénua por achares que percebes mais de leis do que quem as estuda, com os profissionais da área, que lidam com a justiça e com os teus discursos do senso comum.

É por estas e por outras que tinha deixado de dar pareceres jurídicos. Aparecem sempre pessoas que acham que percebem mais de determinada área do que os próprios profissionais.
Enfim, vou-me abster de dar pareceres jurídicos. Fi-lo de boa vontade, porque me pareceu um caso grave e extremo e ainda tenho que levar com discursos de senso comum sobre leis e tribunais, sendo apelidado de ingénuo. Enfim...

1º - já me tinha apercebido que és do meio
2º - Não julgo saber mais de leis do que tu, que és advogado. Mas burra tb não sou.
3º - Estás a basear-te no aspecto da lei, e da forma como ela é aplicada. E estás a interpretar-me mal. O que eu estou a tentar dizer-te é que sim, a lei é porreira, prevê as situações, decide a favor da justiça, tudo muito bem. É para todos, ninguém foge da lei.

O problema é, neste caso concreto, fazer com que ela seja aplicada. percebes?

No acórdão, fala-se de duas ofendidas. Logo, são as duas contra ele. Depois, elas tê imensas testemunhas, colegas de trabalho que deram a cara para defendê-las.

Na minha opinião, é diferente deste caso. Ela não deve ter testemunhas, ela própria disse que os amigos não a podem ajudar.

Eu acho que ela não tem como provar que foi coagida, percebes??

PS: Não te irrites que tamos só a falar, moço! Smile

Retrato de NVanessa
Qua, 19/09/2012 - 22:43
NVanessa:
Membro desde: 27.02.2010
El_Lobo wrote:
Soponipiapa wrote:

Então ok. Partindo da hipótese que existe consentimento.

O que ela deve fazer agora é dizer NÃO. E ver como ele reage a partir daqui. Ela deve reunir provas para não ir para a rua e ele impune!

Angustiada: diz não a partir de agora!!! E vê a reacção dele, filmar ou grava o que ele te diz!!! Faz-lhe a cerca! Eu sei que parece coisa de filmes, mas eu conheço um caso muito próximo que fez uma coisa parecida, mas noutra situação, e apanhou a pessoa!

Pessoalmente, se fosse eu a passar por algo assim arranjava maneira de reverter o jogo a meu favor, arruinar a pessoa e sair por cima. Mas isso sou eu que sou um bocado vingativo. Tongue
No entanto, acho que as mulheres são experts em manipulações e jogos mentais...

Agora estamos a falar a mesma língua! Grin

Post