Apaixonada por um Refugiado | A Nossa Vida

Apaixonada por um Refugiado

Retrato de GirassolRosa
22.10.2018 | 17:33
GirassolRosa:
Membro desde: 22.10.2018

Olá a todos. Sou nova nestas bandas e decidi escrever hoje porque sinto-me um pouco angustiada e, por vezes, é melhor desabafar com quem não conhecemos. Vou direta ao assunto: gosto de um rapaz que tem o estatuto de refugiado sírio. Resumidamente, conhecemo-nos porque ele pediu asilo e uma vez que fugiu, juntamente com a família, da guerra na Síria (como todos sabemos e vemos nas noticias) , Portugal predispôs-se a acolher vários refugiados e migrantes. Como eu falo inglês ofereci-me para traduzir a ajudar na língua portuguesa. Ora acontece que conheci este rapaz e tornámo-nos muito amigos. Ele faz-me sentir de uma maneira que nunca nenhum português me fez sentir. Gosto do carácter dele, das suas qualidades e da forma como me respeita. Em tantos meses de amizade nunca me faltou ao respeito e nunca sequer houve conversas de sexo ou algo assim entre nós. Comecei a aperceber-me que estava a ficar apaixonada e da parte dele sinto que também há sentimentos mas hoje ele, de certa forma, meteu um travão. Disse que não tem uma vida estável, não tem dinheiro nem condições de vida para ter uma namorada ou uma relação. Eu compreendo porque sei que estas pessoas vivem com condições mínimas (pelo menos no caso dele) e que estar assim noutro país depois de ter vivido uma guerra não é fácil mas será isso motivo para duas pessoas não ficarem juntas?? Não é suposto o amor vencer barreiras? Magoou-me um pouco o que ele disse, apesar de saber que ele tem razão. Só quero uma opinião, sem julgamentos... apenas um abre olhos de quem está por fora disto. Obrigada


Retrato de Gaivoto
Seg, 22/10/2018 - 17:51
Gaivoto:
Membro desde: 31.12.2015

Bom, quando alguem está fragilizado, como é o caso desse rapaz, por vezes fazem-se amizades que, em circunstâncias normais não aconteceriam. Eu já fui viver para um país da Europa , e na altura sentia-me um pouco sozinho e aproximei-me de pessoas, que, em circustâncias normais não teriam atraído a minha atenção. Claro que não deu nada, rápidamente me ambientei à minha nova vida e acabei me cercar das pessoas que, naturalamente, procuraria. Esse rapaz parece-me que está a ser honesto contigo e penso que estarás a invadir o seu espaço se voltatares tentar alguma forma de aproximação. O facto de as pessoas estarem vulneráveis e sozinhas, não quer dizer que aceitem comprometer-se emocionalmente com quem não sentem atraídos. Portanto penso que estás enganada quando dizes "da parte dele sinto que também há sentimentos ". Parte para outra, na vida nem sempre o amor é correspondido e este é mais um desses casos, pelos quais já quase todos passamos.

Retrato de Konigvs
Seg, 22/10/2018 - 22:33
Konigvs:
Membro desde: 21.10.2011

Para ter metido um travão é porque não está na mesma onda que tu..O que disse pode ser verdade, mas pode também ter sido uma forma simpática que encontrou de dizer que não está interessado... E tu não tens que ficar magoada, porque infelizmente nem sempre os outros nos vêem como nós os vemos a eles. Talvez possam continuar a ser amigos e logo vês como as coisas evoluem.

Retrato de Tony Chopper
Ter, 23/10/2018 - 01:41
Tony Chopper:
Membro desde: 28.08.2017

Sinceramente, tendo tu 31 anos acho que embora te saiba bem apaixonares-te não podes perder tempo com amores utópicos ao estilo platónico.

Aparte o facto de em termos sentimentais te fazer sentir muito bem em termos materiais quê? Vais investir tempo e dinheiro numa relação e daqui a dois anos percebes que ele não tem emprego, que não pode ajudar a sustentar uma família, não te pode dar um futuro, entretanto tens 34 anos, começas a ver o horário biológico tipo relógio bomba e arriscas-te a arranjar alguém à pressa, inadequado, apenas por conveniência?

É tudo importante numa relação, o sentimento sem dúvida, mas a parte material também. O money money é importante...

Retrato de GirassolRosa
Ter, 23/10/2018 - 08:42
GirassolRosa:
Membro desde: 22.10.2018

Obrigada pelas respostas. De facto eu é que devo estar a confundir as coisas e a achar que o amor poderia resolver tudo. Mas sei lá, ainda me sinto um pouco "presa" a este sentimento. Tenho que deixar andar né? O melhor é não forçar