Cavitação: o segredo para um corpo escultural | A Nossa Vida

Cavitação: o segredo para um corpo escultural

Qual é a mulher que não sonha com um corpo fabuloso, onde a gordura localizada fosse eliminada de forma definitiva? Se até ao momento a solução mais eficaz para resolver este tipo de problema era a lipoaspiração, frequentemente evitada por se tratar de um método invasivo com eventuais complicações associadas, a verdade é que existe uma técnica que garante os mesmos resultados, atuando de uma forma segura, não-invasiva e indolor – a cavitação.

Como funciona?

Os aparelhos utilizados na cavitação funcionam à base de ultra-sons de baixa frequência, que vão induzir a formação de micro-bolhas de ar sob o tecido adiposo. As células gordas têm uma membrana muito ténue que se fragmenta sob a pressão exercida pelas micro-bolhas, libertando a gordura que contêm. Este processo vai permitir, mais tarde, a eliminação completa da gordura contida nessas células, que se processará através do sistema linfático e urinário. Em caso algum esta gordura entrará em contacto com o sangue, pelo que não faz qualquer sentido o mito de que a cavitação contribui para o “sangue gordo”.

Cavitação vs. Lipoaspiração

Ao contrário da lipoaspiração, por exemplo, a grande vantagem da cavitação é que permite esculpir o corpo, eliminando facilmente as gorduras em excesso, ao mesmo tempo que torna desnecessário os exames e consultas pré-operatórios, anestesia, intervenção cirúrgica, cuidados pós-operatórios e período de recuperação, com os inerentes riscos a todo o processo cirúrgico. Durante a cavitação não é utilizada qualquer técnica de sucção ou outras técnicas invasivas pelo que, para além de ser de um tratamento seguro, é também um tratamento indolor. Após o tratamento, o cliente pode regressar imediatamente à sua rotina quotidiana.

A cavitação tem resultados efetivos?

Os resultados obtidos com a utilização desta técnica têm vindo a revelar-se muito bons, na medida em que a cavitação permite eliminar definitivamente a maioria das células adiposas. E estes resultados são, habitualmente, visíveis logo na primeira sessão. A cavitação permite perder uma média de 6 a 8mm por sessão. Cada sessão deverá ser dedicada unicamente a uma zona – abdómen, glúteos, zona externa ou interna da perna ou outras. Comparativamente a outros tratamentos de remodelação do corpo, como as massagens, drenagem linfática, endermologia ou mesoterapia, a cavitação tem como principal vantagem o facto de os resultados serem muito rápidos e visíveis logo após a primeira sessão. Estes outros tratamentos poderão, sim, ser utilizados como coadjuvantes da cavitação, com o objetivo de acelerar a eliminação das gorduras supérfluas e manter resultados mais duradouros.

Qual a duração dos tratamentos?

Para se obterem resultados totalmente satisfatórios, devem ser realizadas entre 6 a 10 sessões de cavitação. No entanto, este número poderá variar de pessoa para pessoa, bem como de acordo com a área a tratar. Geralmente, os tratamentos têm uma duração média de 45 minutos e devem ser realizados com um intervalo de cerca de 3 dias.

Quais os cuidados de manutenção necessários?

Para assegurar a manutenção dos resultados conseguidos com a cavitação, é necessário ter alguns cuidados que, no fundo, não são mais do que os cuidados habituais que todas deveríamos ter com o nosso corpo. Destes destacam-se a indispensabilidade de uma alimentação saudável (evitar o consumo de alimentos ricos em gordura), uma ingestão de água abundante (beber cerca de 2 litros de água por dia) e a redução dos hábitos sedentários. Para manter os resultados obtidos com a cavitação, deve ainda fazer-se algumas sessões de manutenção, sendo recomendado uma média de 3 sessões de cavitação por ano.

Existem contraindicações para este tipo de tratamento?

Embora a cavitação seja um método completamente seguro, existem algumas situações em que o seu uso está contraindicado. Destes, destacam-se a aplicação do aparelho sobre feridas, varizes, lábios, rosto, mucosas, seios e pescoço e na zona torácica, nomeadamente sobre o coração. A cavitação também está contraindicada em grávidas, pessoas com problemas dermatológicos, portadores de pacemaker e/ou próteses, doentes do foro oncológico, diabéticos, pessoas com problemas de tiroide e hipertensão arterial.

Comentários (0)

Leia também...

Post