Não sei que fazer à minha vida | A Nossa Vida

Não sei que fazer à minha vida

Retrato de Cabeçuda
25.04.2017 | 21:45
Cabeçuda:
Membro desde: 25.04.2017

Bem nem sei bem por onde começar. Sou casada há quase 10 anos com mais 7 anos de namoro. Temos dois filhos pequenos. Eu com o tempo deixei simplesmente de o amar. Gosto dele mas como amigo. Houve uma altura que discutíamos muito mas agora and tudo mais calmo mas quase que não falamos um.com o outro.
No outro dia arranjei coragem e disse—lhe que já não o amava. Chorei eu, chorou ele. Não falamos mais sobre o assunto. Dei um tempo e voltei—lhe a falar no assunto. Disse—me que não queria falar sobre isso.ainda, que precisava habituar—se à ideia.
Eu quero sair de casa. Não aguento esta vida de nim (nem sim, nem não) mas aqui vem o problema.
Eu adoro os meus filhos e ele também. Sempre me disse que ninguém lhe tirava os filhos e eu penso o mesmo. Mas eu trabalho longe de casa, saio muito cedo e nunca consigo chegar a casa antes das 19—19h30. Faço uma hora para ir trabalhar e outra para voltar. Não consigo ir por os miúdos à escola nem ir buscá—Los. Para piorar a situação, se fosse sair de casa provavelmente teria de ir viver para onde trabalho pois não tenho como alugar casa onde estou mais a gasolina que gasto por mês. Esta é a única razão que ainda não saí de casa. Pelos meus filhos. Precisava de um olhar de fora que me desse uma luz sobre a situação.


Retrato de Gaivoto
Qua, 26/04/2017 - 01:14
Gaivoto:
Membro desde: 31.12.2015

Bom parece-me um dilema.
Mas a resposta tb me parece clara. É impossível manter essa situação, se algo não for feito. E acho bem a sua frontalidade de confrontar o seu marido com essa situação. No entanto tenho uns comentários a fazer:

Não nos diz qual a razão de ter deixado de gostar do seu marido depois de 17 anos de o conhecer. Pela maneira como escreve parece que é uma coisa irremediável, pois nem se dá ao trabalho de se exprimir as suas frustrações (para além de querer divórcio). Se me permite não me parece difícil pensar que há já uma terceira pessoa envolvida. Nesse caso falar em aconselhamento matrimonial, tentativa de reconciliação parece difícil...deverá decidir o que fazer à sua vida.

Porque deixou de gostar do seu marido?

Retrato de Cabeçuda
Qua, 26/04/2017 - 05:53
Cabeçuda:
Membro desde: 25.04.2017

Não há uma terceira pessoa envolvida. Por diversas vezes houve tentativas de separação mas eu nunca estive num emprego estável o suficiente para me poder sustentar a mim e aos meus filhos. Eu sei que não é bonito dizer que me mantive casada porque puto e simplesmente não conseguia sozinha e não queria perder os meus filhos mas a verdade é essa. Neste momento não estamos a discutir muito mas houve alturas que sim. Eu gosto dele mas não sinto qualquer tipo de atracção física por ele e custa—me "enganá—lo" ou iludi—lo. Desde que lhe disse não houve qualquer tentativa por parte dele de uma reaproximação, coisa que eu achava que iria acontecer.

Retrato de Melinha
Qua, 26/04/2017 - 11:36
Melinha:
Membro desde: 16.02.2010
Gaivoto wrote:

Bom parece-me um dilema.
Mas a resposta tb me parece clara. É impossível manter essa situação, se algo não for feito. E acho bem a sua frontalidade de confrontar o seu marido com essa situação. No entanto tenho uns comentários a fazer:

Não nos diz qual a razão de ter deixado de gostar do seu marido depois de 17 anos de o conhecer. Pela maneira como escreve parece que é uma coisa irremediável, pois nem se dá ao trabalho de se exprimir as suas frustrações (para além de querer divórcio). Se me permite não me parece difícil pensar que há já uma terceira pessoa envolvida. Nesse caso falar em aconselhamento matrimonial, tentativa de reconciliação parece difícil...deverá decidir o que fazer à sua vida.

Porque deixou de gostar do seu marido?

Porque é que tem sempre de haver uma terceira pessoa envolvida?

Eu estive com o meu ex-marido 11 anos, 7 de namoro e 4 de casamento.

E eu cheguei a uma altura que não o conseguia olhar da mesma maneira que olhava antes, estava cansada de estar no mesmo espaço que ele, estava cansada da minha vida no geral.

Já passaram 2 anos e meio desde que isto aconteceu e foi a melhor decisão que podemos ter tomado, o divórcio, tanto eu como ele.

Hoje somos grandes grandes amigos! Simplesmente o que sentimos um pelo outro tornou-se um amor bastante diferente, como irmãos.

Ele dá-se com a minha família e eu com a dele, temos conhecimento dos atuais companheiros de cada um e estamos muito melhor e mais felizes hoje do que estávamos há 2 anos e meio.

Ás vezes é preciso admitir que uma relação como casal deixa de funcionar, deixa de nos completar, e não precisamos de nos anular como pessoas para que fique bonito aos olhos de outros.

Retrato de ClaudiaAr
Qua, 26/04/2017 - 18:25
ClaudiaAr:
Membro desde: 16.04.2015

boa tarde

claro que nao tem de existir uma 3ªpessoa, nem de um lado nem de outro: namorei 3 anos e estive casada 8...ao fim deste tempo a pessoa já nao me dizia rigorosamente nada...sentia-me profundamente infeliz e pensei que se fosse infeliz nao conseguiria fazer a minha filha feliz. Felizmente tinha um emprego que me permitiu sair desse casamento e recomeçar do 0. Foi o que fiz.

CAraujo

Retrato de Gaivoto
Sex, 28/04/2017 - 11:03
Gaivoto:
Membro desde: 31.12.2015

Neste caso parece-me ser irrelevante se existe ou não uma terceira pessoa. O que conta é que o amor deixou de existir e isso costuma ser irreversível. O melhor é, o mais cedo possível arrumar as coisas, isto claro se uma das partes (ou ambas) acharem que não há reconciliação possível.

Sou homem, não sou casado, e são histórias como esta que me assustam ao ponto de me ter medo de assumir o compromisso do casamento, pois casos como este conheço vários , e curiosamente são as mulheres que desistiram do casamento.

Em todos os casos que conheço são casamentos que começaram com vários anos de namoro (num dos casos 6 anos). Tanto tempo dá para conhecer a outra pessoa razoavelmente bem. Partiram para o casamento, e após alguns anos e com filhos envolvidos temos uma pessoa infeliz a dizer que quer ir embora. Um pouco assustador...

Eu tento compreender e penso (posso estar enganado) que muitas vezes nós homens somos idiotas e não sabemos entender as mulheres, nem lhes dar o valor. Mas também acho que muitas mulheres sofrem de um problema de baixa auto-estima e acham que nunca vão encontrar um homem para casar. Isso aliado a pressão familiar leva-as a casar com pessoas que não seria a sua primeira opção (às vezes nem a segunda , nem a terceira...) e aí está uma receita para o desastre. Um casal amigo meu a mulher disse que nunca esteve verdadeiramente apaixonada pelo agora ex-marido, mas sim estava apaixonada pela ideia de estar apaixonada. E estamos a falar de um namoro de 3 anos...