Ferida/fissura vaginal | Page 27 | A Nossa Vida
834 entradas / 0 new
Última entrada
Retrato de relusi
Sex, 25/10/2013 - 01:36
relusi:
Membro desde: 09.06.2013

Olá meninas, espero que alguém esteja no caminho certo para nos livrarmos desse inferno

Bom, como já falei antes, estou usando candicort já tem mais de 1 mês, mas como tem corticoide e depois começa a causar irritação, depois de 15 dias de uso contínuo passe a usar em dias alternados e não uso quando mestruo.
A pomada está me ajudando muito, quase choro de felicidade por conseguir fazer sem sentir o corte abrir logo na hora que começa a penetração, mas essa pomada não me curou, a fissura ainda abre, mas bem menor e mais superficial, assim se sinto algo é apenas um incomodo, não mais aquela dor horrivel de antes, mas semana que vem tenho todos os exames ginecológicos marcados, pois nos meus últimos apareceu hpv nic 1 no útero, mas não sei se a fissura tem relação com isso, nem a médica parece saber, e dia 31 tenho consulta para falar da pomada, a medica me passou essa candicort sem esperança q fosse resolver, mas já melhorou bastante, o q mostra q não é um vaginismo, mas sim algum agente infeccioso que está atacando minha pele.

Bom, se tiverem novidades contem aqui, assim q tiver outras novidades conto para vocês, mas como um primeiro passo indico a candicort para vocês, com ela consigo ter relações 2x por semana sem dor e isso antes era impossível.

boa sorte!

Retrato de mineirabrazil
Ter, 29/10/2013 - 00:59
mineirabrazil:
Membro desde: 29.10.2013

Olá,vi os comentários,mas não consegui identificar se o meu problema é o msm...
Fui a ginecologista a 3 dias pq surgiram 3 bolhinhas na entrada da vagina,que viraram 3 pontinhos vermelhos(feridinhas) que ardem só quando faço xixi,a ginecologista disse que não é nada e que logo deve sarar...Como é a fissura? tem essas características q descrevi?

Retrato de relusi
Ter, 29/10/2013 - 12:44
relusi:
Membro desde: 09.06.2013

Olá, Acredito que seu caso não seja o mesmo da maioria da mulheres daqui. No nosso caro é uma fissura mesmo, não bolinhas que viram feridinhas, é como um pequeno corte que abre na região do períneo na entrada da vagina no momento da penetração, ai temos várias histórias de como isso começou e tudo mais, pelo oq vc falou não parece a mesma coisa. Espero que você encontre a solução! Boa sorte!

Retrato de Juliana Marins
Qui, 14/11/2013 - 16:09
Juliana Marins:
Membro desde: 13.11.2013

Amigas, venho aqui relatar o meu problema.

Tenho 24 anos, e namoro a dois anos e meio com um rapaz, estamos nos preparando para casar, deste o meu primeiro namorado, sempre senti muitas dores na região vaginal, mas nunca parei para reparar o motivo, e como meu namorado tinha o pênis pequeno e não gostava muito de sexo, doía mas tinha bastante tempo para me recuperar e sempre minhas amigas diziam que era assim mesmo.

Estou namorado com o meu atual há dois anos e meio, sempre sentia muitas dores no final da vagina, dores estas indiscritíveis, eu agüentava ele terminar e rezava para ele não querer mais nada, pois estava toda machucada.

Com o passar do tempo, nossa relação sexual foi ficando mais escassa, por causa de nossos trabalhos, da vida corrida e por que muitas vezes eu usava mil artifícios para fugir do sexo, como passar horas fazendo sexo oral, tentar o anal, fazer de tudo que vcs possam imaginar.

Desde maio deste ano venho acompanhando este fórum e verifiquei que também sofro com o problema da fissura vaginal, já fui a vários ginecologistas que sempre me passaram medicamentos que apenas ajudaram a cicatrização, nunca evitando que a bendita ferida não rasgasse mais.

Bem que poderiam inventar uma fica crepe, ou qualquer coisa para segurar aquela pele, mas sempre abria, isso fazendo sexo com o meu noivo uma ou duas vezes ao mês.

Meu desespero ficou maior quando no inicio do mês passado o meu noivo resolveu que deveríamos casar, pois por ser militar ele vai ser transferido para outro Estado e quer me levar.

No dia que ele me fez o pedido, não teve jeito, tive que fazer sexo e para o meu maior desespero abriu uma ferida maior do que as já haviam aberto, voltei para as minhas pomadas, só que o meu noivo entrou de férias, sempre querendo sexo e eu sempre evitando.

Troquei de ginecologista, fui a três ginecologistas diferentes em um curto período, todos alegaram que tal ferida era em decorrência da candidiase que eu havia tido, e que iriam curar a ferida para que eu pudesse ter uma vida sexual normal.

Todos os três me passaram medicamentos que eu já havia utilizado e o último me passou um medicamento que contém corticóides, que me deixou com uma irritação e hipersensibilidade na vagina.

Acabo de chegar da consulta de uma ginecologista, como sempre tive ginecologistas homens ficava com vergonha de expor meu problema, mas quando vi essa ginecologista, me abri para ela, expus todo os acontecidos, falei abertamente.

Ela me ouviu com toda calma do mundo, me examinou e falou que infelizmente a região final da minha vagina estava comprometida pelo fungos da candidiase, ou seja, por mais que a ferida feche, a pele não terá nunca a mesma estrutura, ficando sem elasticidade e sempre se rompendo.

A médica falou que infelizmente ainda não se existe medicamento para a cura, ou seja, para evitar que a ferida se abra, e sim medicamentos para que a ferida feche, mas que não seria bom ficar me machucando sempre pois poderia ter alguma complicação mais seria como DSTs ou mesmo câncer de pele naquela região.

Ela falou todos os medicamentos que já me foram passados e disse são todos cicatrizantes, acertou que os antigos ginecologistas passavam pomadas para eu aplicar na vagina, e disse que tais pomadas seriam para diminuir a incidência da candidiase.

Ao ver o meu desespero, a médica falou que derrepente caso eu parasse de agredir a região e num longo prazo, mas longo mesmo a pele pudesse ganhar mais elasticidade, eis que não haveria agressão por muito tempo, mas a médica não garantiu êxito no tratamento.

Enfim, me deu o diagnóstico mais desesperador do mundo para mim nesse momento, não poderei ter uma vida sexual normal, pois sempre vai abrir e conforme vai abrindo a tendência é piorar e muito.

Não sei o que fazer nem como dar essa notícia ao meu noivo, acho que o meu sonho acabou, to sem chão, meu sonho de se casar acabou, como não se pode ter solução para uma ferida?

Caso alguém tenha algum êxito, por favor entre em contato comigo!!

Retrato de relusi
Qui, 14/11/2013 - 17:29
relusi:
Membro desde: 09.06.2013

Olá Juliana, tudo bem ( na medida do possível) ?
Me identifiquei com vc, pois sempre senti um certo incomodo desde o início da minha vida sexual e depois de ter candidiase a fissura surgiu e nunca mais me deixou.
Minha atual ginecologista acredita que eu tenha vaginismo, porque diz que quando me examina tenciono a vagina, acho q isso é normal já que há mais de 1 ano td que entra ali doi e abre a fissura ;p Mas nesse tempo descobri que tenho hpv nic1 e estou em tratamento, por esse motivo continuei com essa ginecologista para realizar o acompanhamento do hpv. Sobre a fissura, ela me indicou a pomada candicort, que eu já havia usado há uns 6 meses e por ter corticoide me deu irritação, mas que por hora estou usando há uns 2 meses e foi a única coisa q deu un resultado mínimo. A fissura não abre logo no início da penetração, só abre mais para o final da relação e abre bem menor e menos profunda do que antes e em 2 dias já sumiu. Na última semana resolvi por conta própria usar a pomada FIBRASE q é para regenerar tecidos, mas ainda não tive relação para ver se deu algum resultado.
Mas realmente acho que existe uma relação entre a fissura e a candidiase e que não tenho nada de vaginismo, mas q talvez esteja desenvolvendo pelo trauma da dor.
Você é de sp? se sim, pode por gentileza me passar os contatos da médica q te falou isso.

Boa sorte!

Retrato de Juliana Marins
Qui, 14/11/2013 - 19:09
Juliana Marins:
Membro desde: 13.11.2013

Tudo horrível amiga, não paro de chorar, conversei com a minha mãe e vou terminar o meu relacionamento, vou dar uma desculpa e ver se consigo me recuperar, vou dar um tempo para eu esquecer isso e ir tratando da forma que foi falado.

Todos os ginecologistas falavam que as feridas eram por causa do vaginismo ou por que eu era apertada demais, na verdade eu acho que é por que quando sentimos a dor temos o movimento de contrair qualquer músculo do corpo, então contraímos a vagina sem querer.

Não tenho hpv, so tive uma candidiase há muito tempo.

A ginecologista me disse que eu não poderia ficar usando pomadas para cicatrizar constantemente pois senão a pele “esqueceria” q ela tem que fazer isso naturalmente, e que mesmo o fato de se usar a pomada numa parte que esta “danificada” não iria cicatrizar perfeitamente. (daí entendi ela falar que era para eu ficar sem fazer sexo e ir fazendo o tratamento a longo prazo, numa esperança das células de baixo um dia chegarem a superfície, e se elas não estiverem contaminadas, dar tudo certo, pois abrindo a sempre a ferida a contaminação é continua.)

O nosso problema da relação sexual é que ela tem inúmeras posições e não podemos fazer todas, no meu caso até no papai mamãe abre, acho que se eu ficar de quatro vai abrir uma ferida sem tamanho, sem contar que qto mais demora a relação mais arde e dói.

Também fiquei um período com a vagina hipersensível, mas foi por causa de medicamentos contra a candidiase.

O que me causa espanto é que so vemos medicamentos para fechar a ferida, nenhum para não abrir.

Fico feliz que vc tenha tido pelo menos um resultado mínimo, eis que abre no final da relação, comigo é so colocar que já abre e arde, fico triste por tudo isso que estamos passando.

Sou do Rio de Janeiro, a minha ginecologista falou que pelo código de conduta, eles não podem falar que não existe cura ou que a mesma vai ser demorada, pois existe a parte psicológica do caso, mas a longo prazo existe uma pequena chance de solucionar o caso, sendo totalmente descartada a utilização de cirurgias.

Isso que ela falou, e como falei tem um pouco de sentido, pois se as células que estão boas em baixo da pele vierem a subir, o problema vai se minimizando aos poucos, agora se a pele abre contamina a parte de baixo.

Ela mandou eu trocar todas as minhas roupas intimas, se possível dormir sem calcinha ou com um shortinho largo, mas sem a calcinha para deixar a vagina respirar, usar sabonetes de glicerina, evitar o uso diário de sabonetes íntimos, pois da mesma forma que protegem eles lesam a região.

Não estou nada bem, to rezando para o meu namorado nem vir na minha casa nesse final de semana ou se ele vier eu vou sair para não ter que dar a noticia para ele.

A minha esperança é que daqui a dois ou três anos volte tudo ao normal, se puder conte o resultado da fribase, e peço a vcs que não parem de postar os resultados ou etc, pois a solução para uma pode servir para todas ou algumas.

Bem como vamos nos previnindo sobre falsos tratamentos.

Estou hoje on line aqui para ver se mais alguém relata alguma experiência..

Retrato de Ecs_brasil
Qui, 14/11/2013 - 21:38
Ecs_brasil:
Membro desde: 06.09.2013

Juliana Marins, li o seu relato e achei bastante desesperador... Não termine com o seu noivo, de mais uma chance a você... Eu me casei esse ano. Estou a 5 anos com meu marido desde que começamos a namorar. Por causa das fissuras eu também sempre fugia do sexo e ele chegou a terminar o namoro porque disse que a vida sexual dele era mais parada que a do avô dele. Enfim, não tive nem o que argumentar... Mas a novidade é que eu acredito que eu esteja curada!!!!!!! UHUUULLLLL!!! E se funcionou para mim acredito que funcione para vocês também! Como eu já havia dito anteriormente, a minha ginecologista havia me passado uma receita de manipulação de um creme de cera de abelha. Uma receita indiana para mulheres na menopausa. Eu passei todas as noites o creme e comecei a ver resultado depois de 6 meses usando. Tive uma excelente melhora, mas ainda uma vez ou outra abria uma fissurinha pequena... Além da pomada eu passava o bepantol durante o dia. Aqui no fórum eu li sobre uma tal massagem para vaginismo (no meu caso não é vaginismo e acredito que o da maioria também não seja) e essa massagem é a mesma massagem recomendada para quem quer ter parto normal. Comecei a aplicar a pomada de cera de abelha a noite e o bepantol umas 2 x por dia sempre fazendo a massagem todas as vezes... No começo doía bastante... Agora eu já faço com 3 dedos e tenho que fazer muuuuita força para sentir alguma dor... Aí eu fiz o teste... Em um final de semana transei 2x no sábado e 1x no domingo... E não senti absolutamente nada... Como se não tivesse transado... De lá pra cá a fissura nunca mais abriu. Fui essa semana no ginecologista e disse que o meu problema agora é que eu fiquei traumatizada e não tenho mais vontade de transar. Então a minha médica me passou uma receita de pomada de testosterona... Para substituir a de cera de abelha aplicando sempre com a massagem... Segundo ela, a testosterona ajuda a fortalecer a pele e se a minha falta de libido for física, vai ajudar. Ela também me recomendou um sabonete que não se encontra no Brasil, tive que fazer o pedido em uma farmácia online portuguesa... Não lembro o nome, mas o PH dele é 8, coisa que não encontramos no Brasil. Ela disse que pelo o que ela viu nas pacientes dela, essas fissuras sempre acontecem nas pacientes que tem a vagina muito ácida... Enfim... Meu caminho até aqui foi longo... Também achei que não veria uma luz no fim do túnel... Eu passo bepantol todos os dias umas 2x sempre massagenado por cerca de 1 minuto e a pomada de cera de abelha ou testosterona a noite, massagenado também.... É chato, mas não fico 1 dia sem o ritul. Acho que se eu parar a fissura vai voltar então não quero arriscar. Espero que ajude a todas!!!!! Beijo

Retrato de relusi
Sex, 15/11/2013 - 02:30
relusi:
Membro desde: 09.06.2013

Juliana

Sei bem como é, não sei quantas vezes na hora de transar comecei a chorar não simplesmente de dor, mas pela frustração que é. Mas, não termine seu relacionamento, ele sabe de tudo o que acontece com vc? Converse com ele, seja sincera sobre isso. Sei como é horrivel e muitas vezes a gente fica ate com vergonha dessa situação sem solução aparente, perdi as contas de quantas vezes comecei a chorar e desistia na hora H, mas meu namorado sempre se mostrou compreesivo, mas é claro q sou super insegura, isso causa um certo trauma.
Tanto que acredito que por esse trauma sempre contraio a vagina quando sinto que algo vai entrar, fico tensa, até na hora do exame, ai a médica cismou que tenho um certo grau de vaginismo, mas não é isso.
Assim como vc comentou, sempre senti um certo incomodo desde a primeira relação sexual, mas a fissura só apareceu depois da candidiase, q no meu caso apareceu 3 vezes em 6 meses. Depois da primeira aparição da candida a fissura nunca mais sumiu.
Também penso nisso, que é muito perigoso ter um corte que abre e fecha td hora, pode causar sim um tipo de tumor.
Minha fissura tem cerca de 1cm e abre bem na entrada da vagina na parte inferior no períneo, em 2 dias ela fecha e ela sempre abre no momento que o penis entra na vagina, passando a doer por td a relação, quanto mais demora, pior fica.
Apenas a pomada candicort deu um resultado e uma pequena esperança, até chorei quando fiz e não senti dor na hora, apenas um leve incomodo e depois vi que a fissura tinha aberto mais menos e bem menos profunda.
Realmente, as posições não existem, com a fissura abrindo nada é menos pior, Normalmente tenho relações 1x por semana e entendo que a gente acaba ate tentando evitar com medo da dor, por ter certeza da dor.
Tenho certeza que a candida em tem alguma relação com a fissura. Já passei por 2 ginecologistas, mas vou procurar outras para ouvir várias opiniões a respeito da fissura.
Qualquer novidade conte aqui, acredito que eu vá ter relações esse fds, conto aqui como a fissura ficou, já que essa semana não usei o candicort, mas sim o fibrase, que é uma pomada regeneradora com antibiotico.
e qualquer coisa poste aqui Juliana, é uma aflição terrível essa nossa situação e eu já estava desesperada quando encontrei esse fórum e saber que, por pior que fosse, eu não estava sozinha nessa, foi uma luz no fim do tunel pensar q se tantas somos asism alguma solução tem que existir. Já falei desse forum para minha ginecologista, mas ela aparentemente desconsiderou e disse que cada caso é um caso, mas nós temos histórias muito paracidas para desconsiderar.

ECS BRASIL
Você pode por gentileza postar a receita dessa pomada indiana aqui com as medidas certas? Será que consigo manipula-la sem receita?
Você é de sp e se for, pode me indicar sua ginecologista, por favor?

Muito obrigada por compartilhar sua história e fico muito feliz que vc esteja se curando desse problema.

Retrato de Ecs_brasil
Sáb, 16/11/2013 - 11:14
Ecs_brasil:
Membro desde: 06.09.2013

Segue a receita:

20g de cera de abelha
30ml de óleo de germe de trigo
10ml de óleo de abacate
10ml de óleo de jojoba
0,25% de óleo essencial de salvia
1,25% de óleo essencial de gerânio
100g de creme
A pomada não precisa de receita. Passe todas as noites com a massagem. E eu recomendo passar o Bepantol umas 2x por dia com a massagem também. Eu noto que quanto mais tempo eu fico sem fazer a massagem, a próxima massagem sempre dói um pouco mais. E o importante é ter persistência. Eu comecei a ver melhora em 6 meses.
Eu não sou de SP, sou de Santa Catarina.
Eu penso que o nosso problema não seja candidíase, e sim a acidez vaginal. A sua ginecologista já falou para você se o seu meio vaginal é mais ácido? Quanto mais ácida a vagina maior a probabilidade de se ter candidíase. Segundo a minha gine, eu tenho muito lactobacilo por causa da acidez. E os lactobacilos meio que vão corroendo as paredes da vagina... Ela disse que a minha é bem fininha. Por isso ela me recomendou também esse sabonete íntimo de ph8 que se chama Femilyane que eu tive que comprar em uma farmácia online portuguesa.
Eu também pensei uma época que era candidíase... Procurei na internet e encontrei uma mulher que aplica um questionário para ver se você tem candidíase. De acordo com as perguntas que ela faz, acho difícil que alguma mulher não tenha candidíase. Enfim, o meu resultado deu super alto, como se eu tivesse um grau bem avançado de candidíase e então, comprei o livro da mulher e comecei a fazer a dieta que ela recomenda, por conta própria, porque a dieta é muito restrita e a minha ginecologista jamais recomendaria, inclusive a minha irmã que é nutricionista. Fiz a dieta por 2 meses. Fiquei com 45 quilos. Todos pensavam que eu estava doente, porém as fissuras continuavam lá. Então um dia eu entrei no blog da mulher e perguntei pra ela se poderia ser candidíase o meu caso. Ela disse que não era e que o meu problema deveria ser o pênis muito grande do meu marido. Fiquei P da cara. Achei que ela fez pouco caso e deu uma resposta ridícula para um problema tão sério, afinal obviamente eu sei o tamanho do pênis do meu marido. Enfim... Por isso eu acho que não tem nada a ver com candidíase...
Beijo

Retrato de Juliana Marins
Sáb, 16/11/2013 - 14:39
Juliana Marins:
Membro desde: 13.11.2013

Amigas, to aqui novamente para falar o que tem ocorrido e desabafar um pouco.

Passei o dia de ontem pensando numa solução para os problemas da minha vida, meu relacionamento e o meu futuro sexual.

Terminei o meu noivado, respirei fundo, chorei muito, mas enfrentei a situação, chamei o meu noivo para conversar e expus tudo o que eu pensava e o que estava acontecendo, falei que não ficaria tranqüila sem poder fazer sexo normalmente, que aqui esta cheio de meninas que jogam na cara dos homens, que dão a torto e a direito e eu não meu sentiria segura como mulher para ficar com ninguém no presente momento.

Depois de muito choro, ele aceitou, me sinto sem chão, num vazio imenso nesse momento.

Ao ler o relato de vcs, me volta a conclusão que nada sara a fissura, pois em seu relato, (ECS BRASIL) diz que se ficar sem fazer a massagem volta a doer na massagem seguinte.

Não me imagino durante um casamento de cinco ou dez anos ficar tendo que massagear e andar com bepantol o tempo inteiro.

Andei pesquisando na internet, descobri que as feridas em sentido reto, tipo fissuras, demoram mais para cicatrizar, pois essa cicatrização é de fora para dentro e não de dentro para fora, ai vem a explicação do por que elas sempre se rompem.

Tais feridas ainda se ficarem “stressadas” ou seja, sem a devida cicatrização e sendo rompidas a todo momento levam ao câncer, pois a pele vai aumentar indiscrinadamente o seu poder de cicatrização e vão se regenerar sem limite, criando nódulos ou mesmo vão perder o poder de cicatrização e vai criar uma ferida crônica que nunca cicatriza, igual a da diabetes.

Decidi na minha vida tomar algumas atitudes tendo em vista a longa experiência em tratar da bendita fissura.

Para mim, a fissura vem da candidiase, é quase inegável, mulheres propensas a candidiase tem a vagina mais acida, o sabonete com ph 8 (básico) serve mais para combater os fungos da candidiase do que ajudar na cicatrização da fissura.

Notei que todas nós cometemos sempre os mesmos erros, que são:

1 – Buscar um tratamento a curto prazo.

2 – A busca pela cura nos deixa stressadas

3 – A tentativa mal sucedida nos deixam deprimidas e sem chão.

4 – Já utilizamos inúmeros medicamentos, banhos, rezas e etc, o que deixa a região “stressada”, acho que nem uma garota de programa usa tantas coisas assim no seu instrumento de trabalho.

5 – O sexo para nós só é tranqüilo enquanto dura as preliminares, acabando já vem o medo e a ansiedade.

6 – Quase todas usamos corticóides na vagina, o que a deixa mais “frágil”

Logo, vou me dar um tempo de relações sexuais, minha previsão de tratamento é longo, imagino uns dois anos, que tentar de duas em duas semanas não surtiu efeito nenhum, como já terminei o meu namoro para mim fica mais fácil pensar assim, no caso de vcs é muito mais complicado, mas quero dar um basta nessa coisa ou senão viro solteira pro resto da vida!!!!

Hoje estou fazendo uma limpa no meu guarda roupas, to jogando todas minhas calcinhas de lycra fora, a partir de agora só calcinhas de algodão!

Assim que essa ferida fechar, vou passar uma pomada para cicatrização simples, so para cicatrizar, andei raciocinando, os atletas tem um prazo de recuperação total, então minha vagina é uma atleta sexual lesionada, vou dar um tempo para a cicatrização total.

Após a cicatrização, vou fazer exercícios com ela, pressionando a área levemente para aquela região ganhar resistência e elasticidade, pois a pressão da entrada do pênis, deve ser grande demais para a região machucada, desta forma ela vai fazer exercícios.

Se abrir alguma fissura por menor que seja, vou perceber e tratar até cicatrizar e continuar com os exercícios, sem a pressão de ter que fazer sexo, minha cabeça vai ficar ajudar o meu corpo.

Após não sentir mais nenhuma dor ou incomodo com a pressão no local, vou fazer um treinamento de fricção no local, inicialmente com o dedo depois com pênis de borraca, começando dos pequenos até chegar ao tamanho médio, pois a pele pode não agüentar o esfregasso.

Vou modificar também minha alimentação, e evitar o máximo a infecção urinária.

Assim, espero que os tecidos ganhem resistência, pois se por um ano e meio ou dois anos nessa batalha não dar jeito, eu desisto de vida sexual.

Vou pesquisar pomadas com alguma coisa para dar a pele hidratação e elasticidade, para passar na região.

Vou tomar banho de sol na vagina, umas duas ou três vezes por semana, dizem que o sol faz bem pra pele? Então vou fazer isso, como moro no oitavo andar, sem vizinhos de frente a minha janela, fica fácil tomar um solzinho.

Tomei essa decisão pois juntei todas as informações do que mais ou menos deu certo que as meninas postaram.

Vou utilizar o creme que vc passou, pois ele tem muita vitamina E que faz bem pra pele e aumenta a oxidação, ou seja, faz a pele se regenerar com mais facilidade, so que tentarei utilizar os medicamentos de forma diminutiva, para chegar ao ponto de não passar nada, pois as nossas vaginas estão viciadas em medicamentos.

Hoje não penso que seja algo sem cura, mas sim um problema com uma cura a longo prazo, sei que dificilmente um relacionamento dura tanto tempo sem relação, ou melhor vamos ser sinceras, não dura.

Fiz muita coisa para segurar o meu noivo, fiz sexo anal, coisa que eu abominava, teve uma noite que fiz sexo oral por umas três horas seguidas, meu maxilar ficou dormente.

Como penso que a minha vagina é uma atleta, ela esta proibida de fazer relações sexuais pelo prazo de um ano a um ano e meio, pois vai ser tratada, vai fazer fisioterapia para depois voltar aos treinos leves até suportar um jogo inteiro.

São as atitudes que eu vou tomar, para ficar sem dor e sem essa bendita rachadura.

Tem como passar o site que fez a encomenda do sabonete? Vou utilizar ele também.

Acompanharei todos os tratamentos de vcs e espero que todas postem os resultados, mas vou seguir o meu a risca a não ser que alguém tenha uma solução mais rápida e eficaz e poste aqui.

Os ginecologistas tem o pensamento científico, e não sei por que nenhum deles ou delas tem esse problema, se tivessem iriam levar esse fórum tão a sério como nós.

Sei que vão classificar minha decisão como louca, mas to cansada de ir a ginecologistas e nenhum dar uma solução e ficar segurando uma lesão com medicamentos é complicado, imagina, dá uma vontade louca de fazer sexo e vc com a perereca cheia de remédios??

Enfim, minha atleta esta em fase de recuperação! Peço a Deus que tudo de certo!