A disfunção eréctil está a destruir-me a vida | A Nossa Vida

A disfunção eréctil está a destruir-me a vida

Retrato de Naraninarana
20.03.2017 | 12:20
Naraninarana:
Membro desde: 20.03.2017

Olá a todas e todos!

Venho aqui abordar um tema sensível, a disfunção eréctil. Poderei até dizer que se trata de um tema tabu, uma vez que ninguém fala sobre ele, levando-me por vezes a pensar que o mesmo só se passa na minha casa…
Assim sendo, passo a desabafar convosco.

Eu e o meu marido somos ainda jovens, bastante jovens até, eu tenho 32 anos e ele 40.

Esta situação já dura há uns anos, diria que há uns 3, 4 anos.
O que acontece é o que todos sabemos, queremos ter relações sexuais e ele não tem erecção… E se a tem, perde-a do nada… E fica extremamente nervoso, ao ponto de ficar com o coração muito acelerado, tremer por todo o lado e ficar com a boca totalmente seca.

Já procurou urologistas (fez vários exames, não têm nenhum problema a nível físico), psicólogos, psiquiatras (continua a ir a consultas regulares), já tomou os famosos comprimidos azuis e mesmo assim, não conseguimos ter uma relação sexual satisfatória para nenhum dos dois.
O que os médicos dizem é que é simplesmente ansiedade… Mas não melhora de maneira nenhuma… Vivemos uma vida normal, o dia-a-dia, mas não temos sexo. Nenhum. Tentamos ter sexo com uma frequência de mês a mês. Não tentamos mais porque já sabemos que vai dar asneira e nos vamos chatear. Eu sei que é muito errado, mas não é fácil lidar com esta rejeição, mais uma vez…

Sei que para ele é mau, mas e para mim? Eu acho que as mulheres não são tidas em muita conta neste problema da disfunção eréctil… Os homens sentem-se mal, sentem-se fracos, impotentes, blá, blá, blá… E nós, mulheres? Eu digo-vos o que sinto. Sinto-me rejeitada, sinto-me desprezível, sinto que já nem sou capaz de excitar um homem e de lhe dar prazer… E isso leva-me a por vezes pensar que eu não tenho nenhum problema, não tenho que viver numa prisão, há homens que me desejam, que gostariam de estar comigo e dar-me o sexo que eu quero, que eu preciso! E pensar assim leva-me a sentir-me mal, a sentir que não estou a ser correcta…

Com isto tudo, a nossa relação está uma merda, uma grande merda. E eu queria mantê-la, porque gosto dele, porque temos duas filhas e não queria que a falta de sexo destruísse a minha família… Mas também não queria viver uma vida inteira a reprimir os meus sentimentos, as minhas necessidades! Sim, porque eu tenho necessidade de ser amada, querida, desejada, necessidade daquele amor ardente, de SEXO!

Alguém desse lado me compreende?

Smile


Retrato de Cláudia Sobral
Seg, 20/03/2017 - 16:12
Cláudia Sobral:
Membro desde: 12.01.2012

Sugiro-lhe priligy. É um medicamento contra esse problema.

Retrato de Gaivoto
Ter, 04/04/2017 - 21:34
Gaivoto:
Membro desde: 31.12.2015

Parece-me que neste caso a disfunção erectil (DE) é de origem psicológia, visto que o urologista não detectou nada. Pelo lado positivo o seu marido parece ter vontade de resolver o problema visto que aceitou consultar o médico. Outra coisa positiva é que você diz que ainda gosta do seu marido.

Tendo isto em conta a resposta óbvia para mim é : consultar um bom sexologo/a e consultar um bom conselheiro matrimonial. A parte física já está posta de parte.Agora é a cabeça. Dos dois.

O seu marido deve estar sob um stress enorme pois não consegue satisfazer a mulher e sente que corre o risco de a perder. Isso é o suficiente para lhe trazer um problema de performance na hora H.

Ele consegue manter uma erecção quando se masturba?
Quando é que este problema começou?
Houve algum acontecimento que tenha levado ao aparecimento da DE?

Combine um fim de semana a sós onde estabeleçam que não vai haver sexo penetrativo. Zero. Todo o resto vale desde que consentido.

Masturbem-se mutuamente, lambuzem-se enfim o que vos vier à cabeça, menos sexo penetrativo. Videos e sei lá que mais OK. Não seja crítica nem mantenha expectativas, apenas um fim de semana romântico com muita conversa e amor, mas sem PIV.

Se o vosso nível de comunicação/cumplicidade não permitir esta actividade então mais na hora está de consultar sexolgo+ conselheiro matrimonial. Quer dizer que já existem demasiados recalcamentos e sentimentos mutuos negativos. Dêm uma oportunidade à vossa vida, e façam um reset, como se faz aos computadores (desligar e voltar a ligar).

Homens com DE há muitos,assim como a versão feminina é preciso amor e persistência para resolver.

Retrato de oPatriarca
Sex, 30/06/2017 - 10:38
oPatriarca:
Membro desde: 29.06.2017

Faltam aqui alguns dados. O que mudou em ti, nele e na relação desde que casaram?

Ele pode ter perdido a atracção por ti. Engordaste desde que casaram?
Stress extremo também pode causar isso - como é a vida profissional dele, como estão as vossas economias etc.
Também pode ter outra...

Retrato de leonor_f
Qua, 12/07/2017 - 14:00
leonor_f:
Membro desde: 14.06.2009

Sexo oral? Masturbação?
Ele faz-te?

Retrato de Tania Poppy
Seg, 24/07/2017 - 13:20
Tania Poppy:
Membro desde: 05.07.2013

Concordo contigo: é um problema que afecta não só o homem mas também a esposa, que muitas vezes não é tida em conta na equação.

Olha sinceramente acho que para além de algum tipo de medicação para a patologia em si, deviam procurar um terapeuta de casais.
Ainda por cima se os médicos dizem que a causa do problema é ansiedade mais um motivo para procurarem um terapeuta.

E agora há uma questão: até que ponto sentes ele empenhado em tratar-se? Claro que ele deve sentir uma pressão horrível mas isto é uma questão importante.