245 entradas / 0 new
Última entrada
Retrato de Faninha
Qua, 25/05/2011 - 08:42
Faninha:
Membro desde: 08.04.2011

Bom dia Dra,
antes de mais agradeço a sua inteira disponibilidade em responder às nossas questões e esclarecer as nossas dúvidas.
É o seguinte: o meu marido teve um acidente de trabalho hà 3 anos, partiu um pé. Foi operado três vezes no espaço de meio ano. Já sabemos a incapacidade atrituida pela tribunal do trabalho. Agora estamos à espera de uma carta com a data para o meu marido se dirigir ao tribunal, pensamos nós, para a oferta de quantia indmnizatória. Assim, pergunto se o meu marido recebe por cada operação, por danos morais, por danos psicológicos, pela cicatriz, pelo tempo que esteve internado, pelo tempo que está à espera, pela incapacidade parcial permanente.
Desculpe este tópico mas já nos disseram das duas formas: que ele tem que receber por isso tudo ou, por outro lado, que ele até poderia ser operado 20 vezes que recebe o mesmo.
Fico imensamente grata por qualquer resposta.
Muito obrigada.

Atenciosamente.

Retrato de NowAndForever
Qui, 26/05/2011 - 09:19
NowAndForever:
Membro desde: 09.03.2011

Bom dia, Dra Sara!
Acho muito interessante e útil disponibilizar-se para nos ajudar aqui no fórum!

Eu neste momento estou a ter alguns problemas com um serviço de internet que contratei há algum tempo, e não sei até que ponto a empresa em questão está a agir de acordo com a lei. Vejamos:
O serviço foi instalado a 12/4/2010 na minha morada de então, com um período de fidelização de 18 meses. Entretanto, em Fevereiro deste ano, mudei-me para o Seixal e liguei para a empresa a solicitar a mudança do serviço para esta nova morada, e fui informada de que estavam a realizar os testes da fibra, pelo que, por enquanto, não realizariam quaisquer instalações e que a alternativa seria mudar para o serviço de banda larga, o que implicaria a aquisição do equipamento, um agravamento no período de fidelização e ainda significaria pagar mais ou menos o mesmo valor por um serviço de qualidade muito inferior ao contratado por mim. Decidi, então, rescindir, e fui informada de que teria que pagar cerca de 200e por incumprimento. Achei errado, mas disponibilizei-me para pagar.
Entretanto, a factura com os dados para efectuar esse pagamento nunca me chegou às mãos, porque terá sido enviada para a antiga morada(mesmo contando no pedido de rescisão que eu me tinha mudado, e a empresa tendo conhecimento da minha nova morada), pelo que eu solicitei, por telefone, que enviassem os dados por sms, como tinha sido feito em relação às mensalidades. Tal nunca sucedeu e, na semana passada, fui contactada por uma empresa de cobranças a informar que teria que pagar 204€ nos três dias seguintes para evitar que o caso tomasse outras proporções. Recusei e dirigi-me à loja afim de esclarecer que os dados que solicitei nunca me tinham sido enviados e que era absurdo exigirem um pagamento desse valor em 3 dias. A reclamação seguiu para a empresa e foi-me pedido que pagasse cerca de 40€ referentes a duas mensalidades pós-pedido de rescisão, e que, seria contactada por volta do dia 1/6/2011 para tratar do restante valor. Paguei os tais 40€ no dia 22/5 e ontem, dia 25, ligaram-me novamente dessa empresa de cobranças a pressionar-me para pagar os 164€ ainda esta semana, quando me tinham dito que o poderia fazer no próximo mês.
As minhas dúvidas são:
- posso ser responsabilizada pelo cancelamento do contrato quando a empresa não me consegue prestar o serviço que contratei?
- É legítimo ser-me exigido esse pagamento tão imediatamente, mesmo eu não tendo tido acesso às facturas, e tendo-as solicitado anteriormente?
- Se me disseram para pagar faseadamente, neste mês e no próximo, e eu já paguei o valor que me indicaram, podem realmente exigir o pagamento imediato do restante valor 3 dias depois (e no mesmo mês)?

Muito obrigada e bem haja!

Retrato de te_te
Sáb, 11/06/2011 - 16:11
te_te:
Membro desde: 13.12.2010

Sarinha, permite q te trate assim.
Neste momente és como um anjo caido do ceu! Wink
Tenho estado toda a tarde a tentar ver do problema que surgiu a uma pessoa, e se calhar poderei mesmo vir a aconsselhar-me contigo.
Nem sabes como fiquei contente ao encontrar este post

Beijocas

O meu canto de futilidades e devaneios

http://mysweetlifebytete.blogspot.pt/
Sabe as ultimas aqui:
https://www.facebook.com/mysweetlifebytete

Retrato de M_19
Ter, 21/06/2011 - 16:23
M_19:
Membro desde: 20.02.2010

Olá boa tarde Drª,
Peço desculpa de chatear mas estou desesperada.
Quando eu vivia com a minha mãe ela abriu os meus recibos verdes e quem usufruia deles era ela, hoje passados 6 anos recebi uma carta da segurança social com uma divida de 4mil e tal euros.
Desconhecia esta situação, falei com a minha mãe mas claro que ela diz que não tem nada a ver com isso, pois claro que não quer responsabilidades para não pagar o que ela fez, mas eu não trabalhei pois estudava e apenas me limitei a assinar os recibos.
O que posso fazer legalmente? é que não tenho como pagar isto, falaram-me na linha de apoio que posso contestar, expondo a situação toda mas haverá algo em concreto que possa ajudar?

obrigada e mcpts.
Marta

Retrato de lourencovera
Qua, 22/06/2011 - 16:28
lourencovera:
Membro desde: 22.06.2011

Boa tarde,
Tenho uma dúvida que gostaria que me ajudesse se possível.
O meu ordenado foi penhorado em 1/3, ganho o SMN mais subsídio de alimetação,e está a ser penhorado o excedente.
O subsídio de férias de de natal também será penhorado? E se sim em que montante.
Poderá me responder para o e-mail: lourencovera@hotmail.com
Obrigado pela sua atenção

Retrato de yoko
Sex, 01/07/2011 - 00:32
yoko:
Membro desde: 15.05.2009

Gostaria de colocar uma questão, relacionada com a adopção ou condiçoes para se ser familia temporária.

É possivel escolhermos os pais a quem queremos dar o nosso filho para adopção?

Desde já agradecida

deixo o meu mail sevensberry@hotmail.com

Retrato de anasn
Sex, 01/07/2011 - 22:36
anasn:
Membro desde: 01.07.2011

Olá Drª. Por motivos óbvios, não vou dizer o meu nome. Tenho um contrato de trabalho (2ª renovação) e agora a minha entidade patronal quer que assine um contrato adicional ao existente com clausulas duvidosas, em que está descrito que as funcionárias não podem falar nada lá fora sobre assuntos que se podem passar dentro da empresa, caso contrário, serão obrigadas a pagar uma indemnização á entidade patronal de danos morais e outros.

Nem sequer está descrito o valor da indemnização. Acontece que já tenho uma clausula parecida no meu contrato de trabalho, daí não perceber o motivo de quererem que assine este documento adicional!

Agradeço uma resposta da Drªa. Obrigada.

Retrato de claudia_mimi
Seg, 04/07/2011 - 18:11
claudia_mimi:
Membro desde: 29.07.2009

Boa tarde,
Sou proprietária de um imóvel,o qual vou alugar.
Como faço para obter um contrato?Tem de ser feito por um profissional?Tem de ser autenticado nas finanças?Que documentos devo pedir aos arrendatários?
Muito obrigada

Retrato de InêsPedro
Ter, 05/07/2011 - 19:41
InêsPedro:
Membro desde: 05.07.2011

Muito obrigada pela tua disponibilidade saraarg! Fico muito contente por haver pessoas empenhadas em satisfazer as nossas dúvidas.

Parabéns!

Retrato de Gemma
Qua, 06/07/2011 - 09:36
Gemma:
Membro desde: 07.04.2010

ola sara,
a minha duvida é a seguinte, eu e o meu marido vamos ter 2 filhos, e entao keremos iniciar a construçao de uma casa. como nunca se sabe o dia de amanha, estamos a pensar se é possivel a casa ficar em nome das crianças com nosso usufruto até morrer. Assim em caso de separaçao evitava-se problemas com a mesma.
obrigado Smile